3 Mai, 2017

Rastreio nacional de 2016: quase 100 suspeitas de cancro de pele

Quase 100 suspeitas de cancros de pele foram detetadas em 2016 no rastreio nacional que avaliou cerca de 1.700 pessoas, segundo a Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo (APCC)

De acordo com o secretário-geral da Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo (APCC), Osvaldo Correia, os casos de cancro de pele têm vindo a aumentar e neste rastreio as suspeitas ascenderam a “mais de 80 casos de carcinoma basocelular e 14 de melanomas, além de outras lesões de risco de cancro de pele”.

Osvaldo Correia falava a propósito dos dados do rastreio nacional que serão hoje apresentados em Lisboa, assim como os do rastreio feito em S. Jorge, nos Açores, onde segundo a APCC a taxa de incidência de cancros de pele é “das mais elevadas do país”.

Na iniciativa, integrada no Dia do Euromelanoma, que se assinala todos os anos em mais de 30 países, serão ainda revelados dados relativos à incidência dos cancros de pele nos jovens adolescentes, “que se estão a tornar mais frequentes e que se prevê continue a aumentar nos próximos anos”, disse.

“O que pretendemos é (…) amplificar as mensagens de prevenção primária e secundária de cancro de pele, que visam chegar às crianças e aos adolescentes com muitas iniciativas no país decorrentes de ações de escola e no desporto, em que queremos que pratiquem desporto ao ar livre mas com segurança, assim como os trabalhadores ao ar livre, que devem ser sensibilizados para a proteção necessária quando trabalham ao sol”, afirmou Osvaldo Correia.

Segundo disse, estima-se que surjam este ano mais 12.000 novos casos de cancro de pele, 1.000 dos quais de melanoma.

O responsável alertou também para o cancro de pele não melanoma, pois “se no melanoma podemos ter um sinal previamente existente que modificou ou um novo que surge, temos também de pensar no cancro de pele não melanoma – como o carcinoma basocelular e o carcinoma espinocelular”.

Este tipo de cancro de pele pode aparecer por uma ferida que não cicatriza e que pode ocorrer sobretudo nas zonas cronicamente expostas ao sol, como a face, em particular o nariz, a fronte, as orelhas e, no calvo, o couro cabeludo e o pescoço

Segundo a APCC, estima-se que na face e no pescoço seja onde ocorrem cerca de 50% dos casos de cancro de pele não melanoma, um tipo de cancro de pele “extremamente frequente na população”.

Para o responsável da associação, as causas do aumento do número de casos do cancro de pele são múltiplas, mesmo que a população portuguesa seja das que tem mais conhecimentos e comportamentos mais adequados.

“Além de fatores genéticos que podem existir em determinadas populações com fototipo de risco, as atividades ao ar livre são múltiplas, não só profissionais, mas de lazer. Hoje as pessoas têm mais exposição a luz, mas devem evitar as horas de maior exposição aos raios ultravioletas”, afirmou Osvaldo Correia, lembrando que “os adolescentes e adultos jovens são os que têm comportamentos menos adequados”.

Segundo Osvaldo Correia, em termos da sensibilização, é notório um aumento, pois a percentagem de população que tem mais cuidado é maior. Porém, acrescenta que “a pele memoriza os riscos e agressões a que esteve sujeita ao longo da vida a essas agressões podem ter como consequência a lesão de cancro de pele ou de risco de cancro de pele cinco, 10, 15 ou 20 anos depois”.

O diagnóstico precoce é também um factor de importância segundo o responsável.

O Dia do Euromelanoma em Portugal contará com uma campanha que prevê diversas ações, como os rastreios gratuitos que vão decorrer em meia centena de serviços de dermatologia espalhados pelo país.

LUSA/SO/CS

ler mais

RECENTES

ler mais