26 Mai, 2023

Programa solidário permitiu poupar 24M€ ao Estado em urgências e internamentos

O programa abem: apoia mais de 31.000 pessoas, sendo que mais de metade (57%) tem entre os 18 e os 64 anos, 32% têm 65 ou mais anos e 11% são crianças. Ao terem acesso a medicamentos, diminuiu-se o absentismo laboral e escolar.

O “Programa abem:”, que garante acesso aos medicamentos prescritos pelo médico a quem não tem capacidades financeiras, permitiu poupar ao Estado, desde 2016, 24 milhões de euros apenas em episódios de urgência e internamentos, revela hoje um estudo.

O estudo de Avaliação de Impacto Social do Programa abem: Rede Solidária do Medicamento, divulgado hoje na Conferência “Coesão Territorial e Saúde: Importância do Trabalho em Rede”, promovida pela Associação Dignitude, refere que, desde 2016, com um investimento de 7,5 milhões de euros, estima-se que tenham sido poupados cerca de 1,8 milhões de euros em episódios de urgência, cerca de 1,3 milhões de euros em internamento de doentes com asma/pneumonia, 12,9 milhões de euros em internamento de doentes de psiquiatria.

Quase 5,4 milhões de euros terão sido poupados em internamento de doentes com enfarte agudo do miocárdio e 2,7 milhões de euros no programa de tratamento de diabetes tipo 1 (considerando apenas quatro das especialidades abrangidas pelos medicamentos comparticipados e para as quais existem dados sobre custos hospitalares, que representam 78,1% da comparticipação abem:), adianta o estudo que analisou o período entre 2016, ano em que o programa foi aplicado no terreno, e dezembro de 2022.

“Aquilo que conseguimos perceber é que, desde maio de 2016 até dezembro de 2022, tivemos um investimento em comparticipação de medicamentos para os nossos beneficiários de 7,5 milhões de euros e conseguimos com isto uma poupança de 24 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde em internamentos e urgências evitadas e, portanto, são números grandes que de alguma forma vêm corroborar o que já vínhamos a perceber que é o impacto que o Programa abem: tem também para o Serviço Nacional de Saúde”, disse à agência Lusa a diretora executiva da associação Dignitude, Maria João Toscano.

A responsável destacou o impacto deste programa nos seus beneficiários ao nível da saúde, da qualidade de vida e da sua inclusão, dado que o modelo prevê a utilização de um cartão que permite ao utente ir a uma farmácia da rede e aceder aos seus medicamentos com a prescrição médica.

Maria João Toscano realçou a importância do programa num cenário de empobrecimento das famílias motivado pela inflação, pela subida das taxas de juros e o aumento do custo de vida, adiantando que esta realidade foi comprovada pelo Índice de Saúde Sustentável (Abbvie/Nova IMS, 2022), que indica que um em cada dez portugueses não tem acesso aos medicamentos de que precisa por incapacidade económica. “Estamos a falar de cerca de um milhão de pessoas”, elucidou.

Segundo a responsável, por cada milhão de euros investido no programa, existe uma poupança potencial de quatro milhões de euros para o SNS. “E não estamos aqui a fazer refletir aquilo que são coisas muito importantes, que é a saúde das pessoas, o controlo das suas doenças”, acrescentou, lembrando que muitas destas pessoas, quando ficam doentes e não conseguem aceder aos medicamentos, acabam por faltar ao trabalho ou, no caso das crianças, à escola, “pondo em causa inclusivamente o seu futuro”.

“Maioritariamente, os beneficiários são pessoas ativas. Portanto, estamos a falar de algo que é muito complexo, porque é um problema social relevante e que deve ser olhado numa perspetiva de darmos dignidade também a estas pessoas que, estando a trabalhar, não conseguem fazer face às suas despesas”, afirmou, revelando que cada vez mais pessoas solicitam este apoio.

O financiamento do programa é garantido pelas doações feitas para um fundo solidário que recebe donativos da sociedade civil, de parceiros e de empresas. A verba desse fundo é usada na íntegra para comparticipar os medicamentos [paga a parte do utente].

Está presente em 177 concelhos em todo o país e é através de uma rede de organizações locais (IPSS, Caritas, misericórdias, autarquias) que é feita a identificação das famílias a integrar no programa.

Abrangendo 1.156 farmácias, possibilita chegar “a uma grande percentagem da população, reduzindo as disparidades entre as regiões, contribuindo para uma maior equidade no acesso ao medicamento”.

LUSA

Notícia relacionada

“1€ abem:” – Recolha de fundos para apoiar os mais vulneráveis no acesso aos medicamentos

Redes Sociais:
Email
X (Twitter)
Visit Us
Follow Me
YouTube
LinkedIn
Share
Instagram
ler mais
Redes Sociais:
Email
X (Twitter)
Visit Us
Follow Me
YouTube
LinkedIn
Share
Instagram
ler mais