12 Jan, 2021

Privados têm 700 camas para doentes Covid e aumentam resposta em Lisboa

Hospitais privados reagem desta forma às declarações da ministra da Saúde, que admitiu a possibilidade de avançar com a requisição civil, para garantir apoio aos hospitais públicos.

Os hospitais privados voltaram a aumentar o número de camas para doentes covid-19, anunciou a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP), que assegurou que a cooperação com o SNS é “fundamental”.

Num comunicado enviado às redações, o organismo presidido por Óscar Gaspar garantiu ainda que vai continuar a trabalhar com o setor público, reconhecendo “a fase particularmente delicada do combate à pandemia”, traduzida num crescimento exponencial das infeções desde o início de 2021.

“Neste momento há mais de 700 camas dos hospitais privados que estão afetas aos doentes do SNS e ainda no sábado foi possível responder afirmativamente com cerca de 100 camas adicionais face a solicitação do SNS para doentes não COVID. Hoje mesmo foi possível aumentar o número de camas Covid disponibilizadas em Lisboa”, pode ler-se na nota divulgada pela APHP.

O anúncio surge na sequência de declarações da ministra da Saúde feitas esta segunda-feira, nas quais admitiu a possibilidade de avançar com “outros mecanismos”, como a requisição civil, para garantir apoio aos hospitais públicos. Marta Temido esclareceu que a capacidade disponibilizada pelo setor privado e social em convenções com o SNS é de apenas 100 camas, aproximadamente, e dispersas por várias instituições.

Portugal registou ontem 122 mortos relacionados com a covid-19, o valor diário mais elevado desde o início da pandemia, e 5.604 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Este é o dia com maior número de mortes diárias registadas desde o início da pandemia, em março de 2020, superando o recorde registado na sexta-feira quando os dados davam conta da morte de 118 pessoas.

O boletim epidemiológico da DGS indica ainda que estão internadas 3.983, mais 213 do que no domingo, das quais 567 em cuidados intensivos, ou seja, mais nove. Também aqui o país atingiu um novo máximo.

LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais