4 Dez, 2018

Pais querem reabertura das camas fechadas no hospital de Gaia porque são “vidas”

A Associação de Pais Prematuros (APP) exige a “imediata reabertura” das duas camas fechadas na Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, lembrando que “não são duas camas, são duas vidas”.

“É incompreensível a decisão do Conselho de Administração do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho de encerrar duas vagas de cuidados intensivos da Unidade de Neonatologia, pela necessidade de mobilizar enfermeiros desta unidade para outros serviços. Esta atitude prejudica a população dos concelhos a Sul do Douro porque implica a transferência imediata de grávidas e recém-nascidos para outras unidades do país, por vezes, longe da área de residência”, referiu a associação, em comunicado.

A 1 de dezembro, o centro hospitalar encerrou duas camas na unidade de neonatologia devido a uma diminuição no número de enfermeiros, realçando que a situação é “provisória”.

“Esta situação é provisória e aguarda a autorização da tutela para contratação, por substituição, de enfermeiros, prevendo-se a sua resolução no final da próxima semana”, adiantou a unidade de saúde à Lusa, numa resposta escrita.

Os pais consideram que esta “decisão arbitrária” do conselho de administração “compromete a assistência materno fetal” especializada, nomeadamente da Unidade de Procriação Medicamente Assistida e do Centro de Diagnóstico Pré-Natal, que é uma “referência nacional, pela realização de técnicas altamente diferenciadas”.

“Como representantes da Associação de Pais Prematuros, vimos contestar a displicência com que o conselho de administração abordou este tema, desvalorizando, perante a Comunicação Social, o impacto deste encerramento”, salientou.

Exigindo a “reabertura imediata” das camas, a associação entende que a administração “não tem conhecimento” do que se passa numa Unidade de Cuidados Intensivos, acrescentando que “não são duas camas, são duas vidas”.

A Associação Pais Prematuros realçou que um bebé prematuro ou um nascimento de risco precisa de resposta imediata, fazendo um minuto “toda a diferença”. E questionam: “se é só uma semana, porquê de retirarem esses enfermeiros altamente especializados para outra unidade”.

LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais