5 Jan, 2021

OM quer alterar plano de vacinação e dar prioridade total aos idosos

Ordem considera que pessoas com mais de 65 anos devem ter prioridade, independentemente das patologias associadas. No plano atual, idosos saudáveis só são vacinadas na segunda fase.

A Ordem dos Médicos (OM) propõe alterar o plano nacional de vacinação contra a Covid-19, de forma a vacinar primeiro toda a população idosa, ao contrário do que está atualmente previsto, em que as pessoas com mais de 65 anos e sem doenças crónicas ou outras patologias associadas só serão vacinadas na segunda fase do plano, a partir de abril.

Num ofício enviado ao Ministério da Saúde, a OM considera que o objetivo central do governo devem ser a prevenção da mortalidade e a prevenção da sobrecarga dos serviços do SNS. O organismo liderado por Miguel Guimarães diz ainda que a priorização total da população idosa iria facilitar a identificação dos grupos-alvo.

Junto da tutela, a OM defende “uma mudança dos critérios de operacionalização dos grupos populacionais com fatores de risco já conhecidos, privilegiando, por exemplo, o fator idade”. Para justificar esta convicção, frisa-se que “a taxa de letalidade varia de cerca de 0,3% na faixa dos 50 aos 59 anos até aos 13,6% acima dos 80 anos”.

Atualmente estão previstas três fases para a execução do plano de vacinação contra a Covid-19 em 2021, que vão acompanhar o ritmo de disponibilização das vacinas. A primeira fase destina-se a pessoas com mais de 50 anos com patologias associadas; residentes e profissionais em lares e unidades de cuidados continuados; profissionais de saúde; profissionais das forças armadas, forças de segurança e serviços críticos. Nesta fase deverão ser vacinadas cerca de 950 mil pessoas.

A segunda fase engloba 1,8 milhões de pessoas com mais de 65 anos e cerca de 900 mil com patologias associadas e mais de 50 anos. Toda a restante população deve começar a ser vacinada na terceira fase, a partir do verão.

SO/LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais