Novo tratamento para pessoas com obesidade

No próximo dia 20 de maio, será assinalado o Dia Nacional da Luta Contra a Obesidade. Para um combate mais eficaz, está disponível um novo tratamento para a doença crónica que afeta 1,4 milhões de portugueses. A opção farmacológica, um análogo de uma hormona humana que ajuda a controlar o apetite, comprovou ajudar também a controlar comorbilidades associadas à Obesidade

Como explica a presidente da Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade (SPEO), Paula Freitas, “a Obesidade é uma doença crónica com um grande impacto na saúde pública e nos sistemas de saúde cuja prevalência tem aumentado a um nível alarmante em todo o mundo. Esta é uma doença complexa, que requer uma gestão a longo prazo, e multifatorial influenciada por fatores psicológicos, fisiológicos, ambientais, socioeconómicos e genéticos. Contudo, e apesar da seriedade, do impacto e do aumento do foco público na doença, verifica-se que a Obesidade é ainda bastante subdiagnosticada e consequentemente subtratada no nosso país”.

A Obesidade está associada a um decréscimo da esperança média de vida e a várias comorbilidades, incluindo diabetes tipo 2, hipertensão, dislipidemia, doenças cardiovasculares, apneia do sono, problemas ortopédicos, certos tipos de cancro e doença da vesícula biliar. A Obesidade pode levar também a múltiplos desequilíbrios funcionais físicos e psicológicos e à diminuição da qualidade de vida.

O tratamento que está agora disponível atua como análogo da hormona humana que é libertada em resposta à ingestão de alimentos. Este novo tratamento regula o apetite, fazendo com que a sensação de fome diminua e aumente a sensação de satisfação e de saciedade depois da ingestão de alimentos. Estudos realizados mostram, ainda, resultados positivos na adesão às orientações necessárias para alcançar e mantera perda de peso.

“Portugal tem uma incidência acima da média europeia com cerca de 16,4% da população com obesidade, pelo que encaramos de forma muito positiva o lançamento desta nova opção que poderá ajudar muitas pessoas a alcançar e manter a perda de peso, a evitar doenças associadas à Obesidade e, em alguns casos, evitar que as pessoas recorram a procedimentos mais invasivos ou que os façam em condições de maior segurança”, comenta a presidente da SPEO.

Estudos comprovaram ainda que este novo tratamento comercializado pela farmacêutica Novo Nordisk, o liraglutido 3 mg, tem um impacto significativamente positivo na saúde das pessoas que vivem com Obesidade e que nove em cada dez pessoas perderam peso. Nos ensaios clínicos do fármaco acompanhado com uma dieta baixa em calorias e de exercício físico mostram que, em média, as pessoas perderam 9,2% do seu peso corporal.

Segundo Paula Freitas, em conferência, o medicamento tem um custo de cerca de 250 euros e não é comparticipado pelo Estado.

Para Carlos Oliveira, presidente da Associação Doentes Obesos e ex-obesos em Portugal, “todo o tratamento acreditado é bem-vindo”.

Com a perda de peso, estas pessoas conseguem também alcançar melhorias cardiovasculares e na apneia obstrutiva do sono, comorbilidades que se desenvolvem devido à Obesidade.

Comunicado de Imprensa/SO/CS

ler mais

RECENTES

ler mais