27 Mar, 2019

Ministério da Saúde vai realizar estudo para analisar impacto do absentismo no SNS

A “melhor eficiência” dos recursos humanos “tem sido uma preocupação”, afirmou a ministra da Saúde.

O Ministério da Saúde mandou realizar um estudo sobre o absentismo e o seu impacto económico nas instituições do Serviço Nacional da Saúde (SNS), anunciou hoje a ministra Marta Temido, avançando que está “neste momento em curso o desenvolvimento de um estudo sobre o absentismo no Serviço Nacional de Saúde”.

As faltas dadas pelos profissionais de saúde totalizaram quase 3,8 milhões de dias em 2017, mais 2,4% do que no ano anterior, a maioria devido a doença (46,3%).

Segundo a ministra, as ausências ao trabalho no Ministério da Saúde em 2017 corresponderam a uma taxa de absentismo geral de 11%, superior à média registada nos outros organismos da Administração Pública que é de cerca de 4%.

Entre 2014 e 2017, o número total de dias de ausências no Ministério da Saúde aumentou 24%, referiu Marta Temido.

“Neste contexto, decidimos determinar a elaboração de um estudo sobre o absentismo e o seu impacto nas instituições do SNS. O nosso objetivo é aprofundar a caracterização do absentismo e identificar o absentismo evitável, considerando em especial o absentismo por doença e por acidente em serviço, o que nos deverá preocupar especialmente num setor como o nosso”, adiantou a ministra.

Outros dos objetivos do estudo é calcular o impacto económico do absentismo, identificá-lo por instituição e por tipo de absentismo, acrescentou.

Segundo dados do portal do Serviço Nacional de Saúde analisados pela agência Lusa e confirmados pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), as ausências ao trabalho voltaram a subir em 2018, passando para o equivalente a mais de quatro milhões de dias perdidos.

No topo