4 Set, 2023

Médicos em greve entre 13 e 14 de setembro

O SIM refere que a greve ocorre “sob a forma de paralisação total e com ausência dos locais de trabalho” e que se prolongará entre as 00:00 de 13 de setembro e as 24:00 de 14 de setembro.

Os médicos da área da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo vão estar em greve nos dias 13 e 14 de setembro, segundo um pré-aviso do Sindicato Independente dos Médicos (SIM). De acordo com o documento, são abrangidos por esta greve regional os hospitais de Loures, Vila Franca de Xira, Garcia de Orta, José de Almeida-Cascais e os centros hospitalares de Barreiro-Montijo, Setúbal e Psiquiátrico de Lisboa.

De igual forma, a greve afeta também os médicos do Instituto de Oftalmologia Gama Pinto (Lisboa), o IPO de Lisboa e o IPJD – Departamento Medicina Desportiva, bem como dos agrupamentos de centros de saúde (ACES) de Cascais, Loures/Odivelas, Estuário do Tejo, Almada/Seixal, Arco Ribeirinho e Arrábida.

O sindicato refere que a greve tem como objetivo levar o Governo a dar “uma resposta efetiva ao caderno reivindicativo sindical” e quer que seja apresentada pelos ministros das Finanças e da Saúde “uma proposta de grelha salarial que reponha a carreira das perdas acumuladas por força da erosão inflacionista da última década e que posicione com honra e justiça toda a classe médica, incluindo os médicos internos, na Tabela Remuneratória Única da função pública”.

Esta é a mais recente greve regional dos médicos convocada pelo SIM, e a segunda nesta região, depois de uma primeira (em 23 e 24 de agosto), Algarve, Alentejo e Açores (30 e 31 de agosto), Centro (09 e 10 de agosto). Para a ARS Norte estão previstas duas greves, entre 06 e 07 de setembro e 20 e 21 de setembro.

O Governo antecipou, na sexta-feira, para dia 07 de setembro a ronda negocial com os sindicatos médicos para a apresentação final do diploma sobre a generalização das Unidades de Saúde Familiar modelo B e a dedicação plena.

A reunião com os sindicatos médicos estava agendada para 11 de setembro e foi antecipada para dia 07 de forma a agilizar as negociações, para fechar este ‘dossier’ e publicar os diplomas, e para os médicos poderem ainda este ano começar a receber mais nas Unidades de Saúde Familiar (USF) ou a aderir ao novo regime de dedicação plena, segundo fonte do Ministério da Saúde.

Então contactados pela agência Lusa, o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) disseram que já foram notificados da antecipação da reunião, mas que as expectativas de se alcançar um acordo são muito baixas.

LUSA

Notícia relacionada

Segundo dia de greve dos médicos com adesão superior a 90% no Algarve e no Alentejo

Print Friendly, PDF & Email
ler mais
Print Friendly, PDF & Email
ler mais