21 Mar, 2019

Medicina Nuclear na Madeira diz que setor público continua a enviar utentes para o privado

O coordenador da Unidade de Medicina Nuclear do Hospital Central do Funchal afirma que o setor público tem capacidade para prestar "mais e melhor" serviço, e vincou que muitos utentes continuam a ser encaminhados para o privado.

Numa audição parlamentar na Assembleia Legislativa Regional, Rafael Macedo acusou também “alguns colegas” de “forte negligência” e de fornecerem tratamentos que “não são adequados”, apontando ainda deficiências nas fichas clínicas e no registo de doentes.

“Denunciei a situação à Ordem do Médicos relativamente às várias irregularidades”, disse aos deputados da Comissão Eventual de Inquérito ao Funcionamento da Unidade de Medicina Nuclear do Serviço de Saúde da Madeira (SESARAM), constituída a pedido da maioria social-democrata, na sequência uma reportagem da TVI transmitida em fevereiro.

A investigação jornalística concluiu que o Hospital do Funchal encaminhava pacientes para fazer exames de medicina nuclear numa clínica privada, enquanto a sua própria unidade, inaugurada em 2013 e certificada em 2017, estava “praticamente parada”.

Rafael Macedo reafirmou que o serviço público continua a encaminhar utentes para o serviço privado, vincando ainda que existem serviços do SESARAM que funcionam “muito mal”, nomeadamente Hemato-Oncologia, Urologia e Ortopedia.

“Alguns colegas, de facto, são negligentes”, referiu.

O coordenar da Unidade de Medicina Nuclear explicou, por outro lado, que está habilitado para fazer 63 tipos de exames, mas efetivamente executa apenas dois, pelo que só utiliza 15% do seu tempo em serviço, reconhecendo, no entanto, que em 2018 apenas dois exames desses tipos foram feitos no setor privado.

Rafael Macedo precisou que, por este prisma, a Unidade de Medicina Nuclear está a funcionar a 100%, tendo realizado cerca de 1.000 exames desde 2017, mas insistiu que tem capacidade para executar 2.800 por ano.

“Portugal é o país da Europa menos evoluído em termos de medicina nuclear”, considerou.

Entre 2009 e 2018, o Governo Regional da Madeira pagou 22 milhões de euros a uma clínica do grupo Joaquim Chaves Saúde para a prestação de serviços, sendo que um milhão e 550 mil euros visou a área da medicina nuclear e o restante – mais de 90% – cuidados de radioterapia, um serviço que o setor público não dispõe.

Foi este contrato que lançou suspeitas na opinião pública e motivou a constituição da Comissão Eventual de Inquérito ao Funcionamento da Unidade de Medicina Nuclear, formada por deputados do PSD, PS, CDS/PP, BE e JPP, e com um prazo máximo de funcionamento de 120 dias.

Os trabalhos da comissão prosseguem na quinta-feira, com a audição do diretor clínico da Clínica de Radioncologia da Madeira, Guy Vieira, e dos diretores do Serviço de Hemato-Oncologia e Endocrinologia do SESARAM, Fernando Aveiro e Silvestre Abreu.

LUSA/SO

ler mais

RECENTES

ler mais