Medicamentos para doenças raras custaram quase 90 milhões de euros ao SNS

Os dados revelados hoje pelo Infarmed indicam que, em 2017, foi aprovado o financiamento de sete medicamentos órfãos e que, no total, estão disponíveis 62 fármacos do género.

Segundo a Autoridade Nacional do Medicamento, “o número de moléculas destinadas ao tratamento de doenças raras tem vindo a crescer a nível europeu, em resposta às necessidades de doentes que têm habitualmente menos alternativas terapêuticas”.

“Nem todos os medicamentos aprovados na União Europeia foram utilizados em Portugal, por não terem sido ainda prescritos ou por não existirem casos diagnosticados das doenças a que se destinam”, recorda. O Infarmed refere que, entre janeiro e novembro de 2017, os medicamentos órfãos representaram um investimento de 89,2 milhões de euros para o SNS, mais 3,3 milhões de euros do que no período homólogo.

“O peso no total da despesa com medicamentos nos hospitais tem-se mantido estável, representando 8% do total”, indica a nota da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde. Acrescenta ainda que “o acesso ao tratamento tem sido garantido nos hospitais portugueses, seja através do financiamento ou de acesso a autorizações de utilização excecional (AUE), sempre que estes medicamentos ainda estejam em avaliação”, e recorda que no ano passado foram tratados 398 doentes através de AUE.

A oncologia destaca-se como a área terapêutica com mais peso, com 60% do total, seguida das doenças respiratórias (15%) e da infecciologia (4%).

LUSA/SO

ler mais

RECENTES

ler mais