1 Set, 2023

Mais de mil médicos subscreveram carta a Manuel Pizarro a recusar horas extras

A recolha de assinaturas para a carta aberta foi iniciada pelos médicos da ULSAM em 19 de agosto, manifestando “indisponibilidade para realizar mais de 150 horas extras, caso na reunião marcada entre o Ministério da Saúde e os sindicatos médicos não haja propostas que valorizem a carreira médica e o SNS".

Mais de mil médicos assinaram a carta hoje enviada ao ministro da Saúde a avisar da indisponibilidade para trabalhar mais do que as 150 horas anuais obrigatórias se não terminar o impasse negocial com a classe. Em declarações à agência Lusa, Helena Terleira explicou  que o documento foi enviado para o endereço eletrónico do gabinete do ministro Manuel Pizarro. Foi subscrito “por um total de 1.045 médicos de todo o país, 187 dos quais trabalham na Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM)”, disse.

“Temos consciência das consequências desta forma de luta e dos graves constrangimentos para o funcionamento dos hospitais, em particular para o serviço de urgência. Somos também médicos responsáveis e muito resilientes. Só usaremos esta forma de luta se a isso formos obrigados. Fica na mão do senhor ministro da Saúde, também médico, escrever o resto da história”, afirmou a médica do hospital de Santa Luzia, em Viana do Castelo.

Helena Terleira adiantou que “os médicos da ULSAM já entregaram as escalas do serviço de urgência de setembro sem horas extraordinárias, onde existem turnos sem cobertura da medicina interna e cirurgia geral”. “Solicitamos aos colegas que aderiram ou vão aderir a esta medida para informarem os respetivos diretores de serviço e estes os conselhos de administração para tomarem conhecimento e poderem agir em conformidade”, especificou a médica no serviço de Medicina Interna do hospital de Santa Luzia. Lamentou ainda “que, numa altura em que se fala da grande reestruturação do SNS, os recursos humanos de que o SNS depende sejam tão desvalorizados”. “Sem carreira médica, justamente remunerada e valorizada, não há, nem haverá reforma que salve o SNS”, frisou.

Os médicos “reclamam a revisão das grelhas salariais, com um salário base digno para todos e melhores condições de trabalho, e não querem mais horas extraordinárias”. Em agosto, aquando do início da recolha de assinaturas dos médicos, contactada pela Lusa, fonte do Ministério da Saúde afirmou que, “estando o processo negocial em curso, seria extemporâneo uma pronúncia pública” sobre a carta. “O Ministério da Saúde está profundamente empenhado no processo negocial com os sindicatos médicos. O Ministério da Saúde toma boa nota da referida carta, mas estando o processo negocial em curso seria extemporâneo uma pronúncia pública sobre a mesma”, respondeu à Lusa.

Também hoje o Governo antecipou para quinta-feira a ronda negocial com os sindicatos médicos para apresentação final do diploma sobre a generalização das Unidades de Saúde Familiar modelo B e a dedicação plena. A reunião com os sindicatos médicos estava agendada para o dia 11 de setembro e foi antecipada para dia 7 de forma a agilizar as negociações, para fechar este dossiê e publicar os diplomas e para os médicos poderem ainda este ano começar a receber mais nas USF ou a aderir ao novo regime de dedicação plena.

Contactados pela agência Lusa, o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) disseram que já foram notificados da antecipação da reunião, mas que as expectativas de se alcançar um acordo são muito baixas.

LUSA

Notícia relacionada

Meia centena de médicos do Alto Minho recusam fazer mais do que 150 horas extraordinárias

Print Friendly, PDF & Email
ler mais
Print Friendly, PDF & Email
ler mais