12 Ago, 2021

Julho foi o mês com mais testes realizados desde o início da pandemia

O dia 16 de julho, véspera da ida de férias para muitos portugueses, foi o dia em que foram realizados mais testes (95 mil).

Julho foi o mês com mais testes à covid-19 realizados desde o início da pandemia, mais de dois milhões, num total de cerca de 16 milhões já realizados em Portugal, indicam dados do Instituto Ricardo Jorge divulgados hoje.

No mês de julho de 2021 “foi alcançado um novo máximo mensal de testagem à covid-19 em Portugal”, com a realização de 2.031.649 testes de diagnóstico à covid-19 (PCR e Testes rápidos de antigénio de uso profissional), uma média diária de 65.537 testes, anunciou o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) em comunicado.

“Trata-se dos números de testagem mensal mais elevados desde o início da pandemia, que correspondem a 12,9% do total de testes de diagnóstico efetuados desde março de 2020”, refere o INSA.

Dados avançados à agência Lusa pelo INSA precisam que 16 de julho foi o dia em que foram realizados mais testes (95.680), com uma taxa de positividade de 4,4%.

A proporção de positividade na semana de 09 a 15 de julho foi de 4,9%, na semana de 16 a 22, foi de 5,2%, e na semana de 23 a 29 de julho foi de 4,2%, referem os dados, sublinhando que na semana de 30 de julho a 05 de agosto, a taxa de positividade baixou para 3,9%.

Desde o início da pandemia, em março de 2020, até à passada segunda-feira foram realizados em Portugal 15.862.834 testes, dos quais 12.329.598 foram testes PCR e 3.533.236 testes rápidos de antigénio de uso profissional.

Este ano, foram realizados mais de 63% da totalidade dos testes de diagnóstico desde o início da pandemia, com os meses de abril, maio, junho e julho (até 26 de julho) a concentrarem cerca de 40% do número total de testes.

Do total de testes realizados desde o início da pandemia, 38,8% foram feitos no Serviço Nacional de Saúde, 50,7% no setor privado e 10,5% em instituições, académicas ou outras.

“O esforço de testagem, que decorre desde março de 2020, é, a par da vacinação e das medidas não farmacológicas como o uso de máscara e o distanciamento físico, um dos pilares fundamentais da prevenção de focos de contágio e de controlo da pandemia”, salienta o INSA.

O Instituto sublinha ainda que este aumento da testagem em Portugal assenta no plano de promoção da operacionalização da estratégia de testagem em Portugal.

Esta estratégia tem três eixos de intervenção: testagem dirigida, testagem programada e testagem generalizada.

“Este plano vai ao encontro das recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), e dá continuidade a um vasto programa de testagem, massiva e sistemática, alinhado com a Estratégia Nacional de Testes para SARS-CoV-2, tal como definido pela Norma n.º 019/2020 da Direção-Geral da Saúde”, refere o INSA no comunicado.

LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais