10 Mar, 2022

Hospital de São João recebeu primeiro doente ucraniano

Trata-se de uma mulher, com 37 anos, politraumatizada. Hospital fala de um "quadro clínico complexo".

O Hospital de São João, no Porto, acolheu o primeiro doente ucraniano enviado para Portugal, “uma cidadã ucraniana” que chegou ao aeroporto Sá Carneiro esta noite, revelou à agência Lusa o centro hospitalar.

De acordo com o Centro Hospitalar e Universitário São João (CHUSJ) “trata-se de uma doente do sexo feminino, com 37 anos, politraumatizada, que sofreu um atropelamento no dia 22 de dezembro de 2021, do qual resultaram múltiplas lesões graves”.

A chegada da “cidadã ucraniana” estava prevista para as 23:55 desta quarta-feira ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto.

De acordo com dados do CHUSJ, a doente foi transferida de ambulância do Hospital de Lviv, na Ucrânia, para a Polónia. Partiu a caminho de Portugal, num voo que partiu de Varsóvia, acompanhada pelas equipas clínicas da ONG Médicos do Mundo”.

“A cidadã ucraniana será transferida pelo INEM do aeroporto para o Hospital de São João, onde será reavaliada pelas equipas médicas, cirúrgicas e de cuidados intensivos, em termos de gravidade das lesões e planeamento das intervenções, num quadro clínico complexo, de acordo com as informações que nos foram transmitidas”, acrescentou o CHUSJ que agendou para as 22:30 declarações à comunicação social.

Na quinta-feira o Hospital de São João avançou que teria disponíveis 138 camas de várias especialidades, incluindo Pediatria, para acolher doentes ucranianos, caso viesse a ser necessário.

Em declarações à agência Lusa, o diretor da Unidade Autónoma de Gestão de Urgência e Medicina Intensiva, Nelson Pereira, avançou que estão identificadas camas gerais, camas de Cuidados Intensivos, Pediatria e Queimados, às quais se soma a “prontidão” dos profissionais de saúde de outras especialidades como Ortopedia, Cirurgia Plástica, Medicina Física de Reabilitação e Oncologia.

“Uma das grandes consequências de qualquer conflito é a interrupção do tratamento de doenças tumorais”, referiu o especialista.

Segundo Nelson Pereira, “este esforço potencial significativo” integrava o levantamento feito pelo Ministério da Saúde e das estruturas de Proteção Civil nacionais.

SO/LUSA

Notícia Relacionada

7 mil médicos de Portugal exigem cessar-fogo na Ucrânia e corredor humanitário

ler mais

RECENTES

ler mais