Hipertensão Arterial Pulmonar: “Se demoramos dois anos a identificar a doença, perdemos tempo precioso”

Alerta é feito pelo Prof. Doutor Rui Baptista médico cardiologista, do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, que garante que circuito que os doentes fazem entre o início dos sintomas e o diagnóstico demora, em média, dois anos.

A Hipertensão Arterial Pulmonar (HAP) é uma doença é rara, progressiva e que não tem cura. Ocorre quando as paredes das artérias que saem do lado direito do coração para os pulmões se estreitam e ficam apertadas. Como consequência, a pressão nos pulmões aumenta. Quando a pressão média da artéria pulmonar ultrapassa, em repouso, os 25 mmHg, considera-se que o doente tem HAP – uma vez que o valor normal ronda os 14 mmHg.

Muitas vezes os sintomas, que são semelhantes aos de outras patologias (sobretudo do foro pulmonar), dificultam o diagnóstico e atrasam o início do tratamento. Os doentes apresentam um conjunto de sintomas que variam na intensidade. Os mais comuns são a falta de ar (dispneia), sem motivo aparente, a fadiga excessiva ou tosse.

“A HAP é uma doença rara, que atingirá