5 Abr, 2021

Doença Venosa Crónica. Campanha alerta para os riscos

Estima-se que em Portugal, 7 em cada 10 mulheres com mais de 30 anos sofrem de problemas de circulação venosa. De modo a alertar para os sinais e riscos da Doença Venosa Crónica, está a decorrer uma campanha realizada em 76 farmácias  do grupo Holon.

De modo a alertar para os sinais e riscos da Doença Venosa Crónica, está a decorrer uma campanha realizada em 76 farmácias  do grupo Holon. Através de métodos complementares não invasivos uma equipa multidisciplinar Holon avalia precocemente os fatores de risco e promove o alívio dos sintomas, aconselhando e acompanhando o utente mediante as suas necessidades.

“É preocupante que metade da população afetada não faça qualquer tratamento. A Doença Venosa Crónica afeta a qualidade de vida e apresenta repercussões ao nível socioeconómico, não só pelo absentismo laboral, que pode ser necessário, como pelo tratamento que pode ser dispendioso, como por exemplo os fármacos e as meias de compressão”, explica a farmacêutica responsável pelo projeto, Joana Brito.

Esta patologia é definida como uma anomalia morfológica e funcional do sistema venoso, de longa duração, e apresenta sinais e sintomas característicos, que podem estar exacerbados em situações específicas.

“As estatísticas mostram-nos que 7 em cada 10 mulheres com mais de 30 anos sofrem de problemas de circulação venosa. O confinamento, provocado pela covid-19, pode promover o surgimento de novos episódios, devido ao aumento do sedentarismo”, afirma Joana Brito.

“São vários os fatores e comportamentos de risco associados a esta doença, tais como, fatores genéticos, sexo feminino, gravidez, idade, elevada estatura, obesidade e posição ortostática prolongada”, acrescenta.

Alguns dos sinais de alerta a que deve estar atento passam pela sensação de formigueiro ou existência de cãibras, a sensação de pernas pesadas, inchadas e/ou cansadas e a retenção de líquidos. Dores no local, ardor e/ou prurido são ainda ainda alguns dos sintomas. As podem podem ficar dilatas, dando-se o aparecimento  de varizes ou derrames e, podendo ainda surgir úlceras venosas.

 

Notícias relacionadas:

Reunião de Cirurgia Vascular: “Pé diabético e doença venosa crónica” – Híbrido

ler mais

RECENTES

ler mais