24 Nov, 2021

Covid-19. Uso de antidepressivos poderá reduzir gravidade dos sintomas e risco de morte

Apesar de mais estudos serem necessários para confirmar a eficácia dos antidepressivos no combate à covid-19, resultados são “o abrir de uma possibilidade”.

Pessoas que tomam inibidores seletivos de recaptação de serotonina (SSRI) – antidepressivos – podem apresentar sintomas menos graves da covid-19 e risco de mortalidade reduzido após a infeção por SARS-CoV-2, revela um artigo publicado no JAMA, analisado pelo jornal i.

Para compreender de que modo a toma destes fármacos pode auxiliar no combate à doença provocada pelo novo coronavírus, foram analisados registos eletrónicos de 83 584 pessoas com diagnóstico de covid-19, entre os quais estavam 3401 indivíduos que tomavam SSRI.

De acordo com a sua análise, foi confirmado um risco 26% reduzido de mortalidade por covid-19 associado ao seu uso, especificamente no que concerne a toma de fluoxetina (Prozac), em comparação com aqueles que não aderiram a esta terapêutica.

Esta análise, promovida por investigadores da Universidade de Califórnia e da Escola de Medicina da Universidade de Stanford, corrobora os resultados de três ensaios clínicos que confirmam “um papel terapêutico potencial da fluvoxamina na covid-19”. Entre os 741 participantes que receberam este fármaco, 79 (10,6%) necessitaram de cuidados prolongados ou hospitalização. Já do total daqueles que tomaram placebo (756), 119 apresentaram também esta necessidade (15,7%).

“Estes resultados apoiam a evidência de que os SSRI podem estar associados à redução da gravidade da covid-19, refletida na redução do risco de mortalidade”. No entanto, “mais investigação e ensaios clínicos serão necessários” para entender os seus efeitos na gravidade dos sintomas e no risco de morte associado.

Em declarações ao i, o psiquiatra Henrique Prata Ribeiro sublinha a necessidade de mais estudos. De acordo com o médico do Hospital Beatriz Ângelo, estas investigações “analisam grandes números, colocam variáveis e veem o que produz significância estatística. É o abrir de uma possibilidade. Mas isto não quer dizer que exista causalidade”, já que “para se inferir isto, tem de se ter muito mais trabalho”.

“Como em qualquer circunstância nas quais procuramos uma solução científica, estes resultados têm de ser lidos com alguma cautela”, diz o especialista, revelando que a população não deve ter a crença de que a eficácia destes antidepressivos no combate à covid-19 está assegurada.

SO

ler mais

RECENTES

ler mais