7 Dez, 2022

Centros de saúde realizaram 43 mil consultas não programadas por dia em apenas dez dias

Os dados do Ministério da Saúde são referentes ao período entre 25 de novembro e 4 de dezembro deste ano, quando foram alargados os horários dos centros de saúde.

Os cuidados de saúde primários realizaram, nos primeiros dez dias de funcionamento com horário alargado ou complementar, uma média de 43 mil consultas não programadas por dia, totalizando 434.440, segundo dados divulgados hoje à Lusa.

Entre 25 de novembro e 4 de dezembro, das 434.440 consultas realizadas no próprio dia para doença aguda, 48.815 corresponderam a situações de infeção respiratória aguda (cerca de 7% do total de atendimentos) e a maioria das consultas foi realizada na região Norte (184.390), seguida da região de Lisboa e Vale do Tejo (118.112), do Centro (87.183) do Alentejo (28.811) e do Algarve (15.944).

“Só no último fim de semana, entre os dias 3 e 4 de dezembro, os cuidados de saúde primários asseguraram consultas no próprio dia a 16.123 utentes, o equivalente ao total de atendimentos nas urgências de todos os hospitais do país num dia de fim de semana”, salienta o Ministério da Saúde. Nestes dois dias, 4.277 atendimentos foram motivados por infeção respiratória aguda (26% do total).

No Norte, neste período, foram contabilizadas 5.972 consultas, 4.033 no Centro, 3.280 em Lisboa e Vale do Tejo, 2.176 no Alentejo e 662 no Algarve.

O Ministério da Saúde lembra que o alargamento da capacidade de resposta dos cuidados de saúde primários para resposta a situações de doença aguda é uma das medidas previstas no “Plano Estratégico do Ministério da Saúde para a Resposta Sazonal em Saúde – inverno 2022-2023”.

Os locais com atendimento alargado ou complementar podem ser consultados em www.sns.gov.pt na área dedicada ao Plano de Inverno no Portal do Serviço Nacional de Saúde (SNS). De norte a sul do país, são já 176 os centros de saúde a funcionar com horários de atendimento alargado (dias úteis) ou complementar (fim de semana e feriados), disponibilizando uma resposta de proximidade à comunidade em situações de doença aguda não emergente.

“Esta adaptação da capacidade ao nível dos cuidados de saúde primários pretende responder à maior procura da população nos meses de outono/inverno e diminuir a pressão sobre os serviços de urgência, em situações que podem ter acompanhamento atempado e adequado nos cuidados de saúde primários”, adianta.

Ainda assim, o Ministério da Saúde recomenda o contacto prévio com o SNS 24 para o aconselhamento e encaminhamento mais adequado a cada situação.

Com o objetivo de promover o aumento da resposta nos cuidados de saúde primários, está ainda a ser operacionalizada a “Via Verde ACeS” nos Serviços de Urgência (SU). “Esta resposta permite que os utentes triados como não urgentes – ou seja, pulseira branca, azul ou verde – sejam encaminhados dos hospitais para os centros de saúde, com data e hora previamente definidas, sendo atendidos, no máximo, em 24 horas”, sublinha.

A aceitação da referenciação para os centros de saúde isenta os utentes do pagamento das taxas moderadoras. A “Via Verde ACeS” abrange já praticamente metade de todos os ACES do país (49%), num total de 27 agrupamentos, bem como os respetivos hospitais com que se articulam.

LUSA

Notícia relacionada

Doentes não urgentes vão ser reencaminhados para centros de saúde com hora definida

Print Friendly, PDF & Email
ler mais

RECENTES

Print Friendly, PDF & Email
ler mais