5 Jun, 2017

Cáritas Venezuela pede apoio para crianças e pessoas sem acesso a medicamentos

O apelo foi feito à Cáritas Portugal para que apoie as crianças venezuelanas e também os portugueses cujas doenças se agravaram pela falta de medicamentos no país

“O apelo é também para a Cáritas Portugal, para que colabore (…) com toda esta gente que hoje necessita e sobretudo para que apoie os portugueses que desde há muitos anos vivem no nosso país e que têm necessidades sobretudo de medicamentos”, disse a diretora da Cáritas.

Janeth Márquez falava à margem de uma reunião, em Caracas, com o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, que esteve acompanhado pelo secretário regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus da Madeira, Sérgio Marques, e pelo embaixador português, Fernando Teles Fazendeiro.

“Também há muitas famílias que estão a ficar sozinhas, porque os filhos deixaram o país e queremos dar-lhes um atendimento preferencial, para que possam resolver esta problemática e estar no país, e além disso possam alimentar-se da melhor maneira”, frisou.

Márquez explicou também que na Venezuela não há dados oficiais sobre a desnutrição infantil, mas que desde janeiro “já faleceram três crianças” e há “muitas crianças com desnutrição moderada e severa”.

“Estamos em negociação com o Estado, a entregar relatórios, a dizer-lhe o que estamos a ver, a necessidade de medicamentos essenciais. Chegámos a alguns acordos para a entrada de alguns medicamentos específicos e queremos passar da negociação teórica à prática”, disse.

Janeth Márquez explicou que o Estado venezuelano autorizou a entrada de medicamentos com a condição “de saber qual a origem e o grupo farmacêutico”.

“Os medicamentos não chegam como se estivéssemos em crise humanitária, durante a qual os padrões e as normas se minimizam, e isso significa cumprir uma série de passos”, frisou.

Por outro lado, na Venezuela não há “um processo de fome como alguns dizem, mas temos um processo em que as famílias não têm possibilidades de alimentar-se”. Dos “12 alimentos que o ser humano necessita, se comerem nove estão medianamente (nutridos). Os venezuelanos nas zonas vulneráveis estão a comer apenas cinco alimentos, mas sem proteínas”, disse.

“Vemos isso (até) na bolsa Clap, que o Estado entrega, que não tem proteínas e que além disso apenas chega para dez dias ao mês. Isso significa que muita gente, neste momento, não satisfaz as suas necessidades e por isso está usando estratégias de adaptação, de emergência, que têm que ver com procurar (alimentos) nos caixotes de lixo e com vender todos os ativos”, explicou.

Além disso, disse, “estão a desmembrar as famílias, a enviar as crianças para os campos, a enviar os pais a comer noutro lado e em muitos casos, lamentavelmente, temos gente que deixa de dar de comer aos idosos para dar às crianças”.

Segundo Janeth Márquez, todos os meses chegam mil novas pessoas à Cáritas, a pedir medicamentos para “doenças crónicas como a hipertensão, o colesterol e a tiroide, que vão a agravar-se porque as pessoas não tomam os medicamentos”.

“A falta de abastecimento é um problema enorme. Segundo a câmara farmacêutica é de 85% e há (ainda) um problema de acesso, porque os poucos medicamentos que chegam têm um preço tão elevado que ninguém pode pagar. Um medicamento poder custar entre 50% a 60% do salário mínimo”, disse.

A reunião com o secretário de Estado das Comunidades teve o propósito de “dar visibilidade à análise da Igreja e da Cáritas sobre a situação dos venezuelanos, sobretudo social”, em temas considerados prioritários como a alimentação, saúde e insegurança.

Quanto à desnutrição entre crianças dos 0 aos 5 anos, Márquez explicou que em quatro estados da Venezuela atingiu 11,2%, um quadro “grave” que implica “perigo de morte”.

LUSA/SO/SF

 

Msd - banner_final

 

ler mais

RECENTES

ler mais