10 Mai, 2021

Cancro do ovário. Testemunho de uma doente que não se deixou vencer pelo medo

Ana Cristina Melo tinha apenas 31 anos quando lhe foi diagnosticada a doença. Tem uma condição genética rara que aumenta a predisposição para o cancro hereditário.

O cancro de ovário é o quinto tipo de cancro mais comum em mulheres e a quarta causa mais comum de morte por cancro em mulheres. “O risco estimado ao longo da vida para uma mulher desenvolver cancro de ovário é de cerca de 1 em 54Todos os anos, em Portugal, são diagnosticados cerca de 600 novos casos”, alerta a Dra. Cristiana Pereira Marques, especialista em Oncologia do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, em vésperas do Dia Mundial do Cancro do Ovário, que se assinala a 8 de maio.

O cancro do ovário é diagnosticado geralmente após os 50 anos. Mas, há exceções. Ana Cristina Melo, 35 anos, é uma dessas exceções. Tinha apenas 31 anos quando lhe foi diagnosticado cancro do ovário. Submetida a cirurgia e quimioterapia, um novo tumor/recorrência foi detetado cerca de um ano depois, obrigando a mais quimioterapia e radioterapia. Por ter história familiar de cancro e pela idade jovem ao diagnóstico, foi efetuado um estudo genético que confirmou predisposição familiar para cancro hereditário – Síndrome de Lynch.

A Ana está neste momento em vigilância e sem evidência de doença. A recorrência do tumor, em vez de a desanimar, deixou-a ainda com mais forças para enfrentar a doença. “Estava farta desta doença que não me queria largar. Fazia-me lembrar uma pastilha na sola do sapato. Mas só me deu mais força. Já tinha a experiência anterior e pensei para mim mesma: não és tu que vais vencer, não és tu que ditas as regras da minha vida”, afirma Ana Cristina Melo.

Foi essa força que lhe deu mais esperança e ânimo para encarar mais uma batalha. “Não vou ficar agarrada ao medo dessa probabilidade. Tenho de acreditar que vou sempre conseguir, que vou ter um desfecho positivo e acreditar na equipa médica que está ao meu lado”, explica. Apesar disso, confessa que nem sempre teve um espírito elevado. O confronto com o diagnóstico foi difícil, sobretudo porque tinha muitos projetos e sonhos em mente, incluindo o da maternidade. “É uma notícia que ninguém quer receber. Temos toda uma série de projetos que, de repente, começam a ruir. Quando ouvimos a palavra cancro abre-se um fosso e toda a nossa perspetiva de futuro muda completamente”, revela.

Ultrapassado o embate inicial, conta que aprendeu a dar “um passinho de cada vez” e a gerir toda a frustração, tristeza e angústia para encontrar forças para lutar contra uma doença que lhe queria roubar a vida. Aprendeu que os projetos podem não ser sonhos para sempre desfeitos, mas adaptados à nova condição. Aprendeu também a separar o importante do acessório e a preocupar-se mais consigo mesma, com o tempo em família e com os amigos.

Por isso, deixa uma mensagem a todas as mulheres, jovens ou menos jovens, porque há casos que escapam à norma: se o corpo estiver a dar sinais de que algo está errado peçam ajuda, tentem informar-se, peçam exames.

Ana Cristina Melo lembra que “o cancro é uma doença que não espera, é evolutivo, e que quanto mais cedo for diagnosticado melhor será o prognóstico”. E, por isso, apela: “não fiquem com medo; ficar com medo é deixar o tempo passar e permitir que a doença nos vença”. 

 

FATORES DE RISCO ESTÃO IDENTIFICADOS 

De acordo com a Dra. Cristiana Pereira Marques, a causa exata do cancro de ovário permanece desconhecida, mas muitos fatores de risco estão identificados, entre os quais estão a obesidade, menarca precoce, menopausa tardia, baixo número de gestações e a história familiar. Cerca de 10-20% dos cancros do ovário associam-se a uma síndrome de predisposição familiar para o cancro, como é o caso da Ana Cristina Melo.

Também foram identificados fatores protetores de cancro do ovário, como o uso de anticoncecional oral, laqueação de trompas de Falópio e a amamentação. “O cancro do ovário constitui um desafio diagnóstico, pois não existe um método de rastreio validado na população e os sintomas são frequentemente tardios. Nos últimos anos, surgiu uma nova classe de fármacos, que revolucionou o tratamento do cancro do ovário”, refere a médica oncologista.

ESTEJA ATENTA AOS SINAIS 

O cancro do ovário, que atinge sobretudo mulheres após os 50 anos, é um tipo de neoplasia que tem origem nos tecidos ováricos, onde são formados os óvulos e produzidas as hormonas femininas. Os sintomas são, geralmente, inespecíficos e tardios, daí a importância de serem mantidas rotinas médicas. No entanto, existem sinais/sintomas que devem motivar avaliação médica como a distensão abdominal persistente, o enfartamento precoce, a perda de apetite, a dor abdominal, sintomas urinários (frequência ou urgência urinária), a alteração do trânsito intestinal (diarreia ou obstipação), fadiga extrema ou perda de peso.

COMUNICADO

Notícias Relacionadas

“O assassino silencioso”. Casos de cancro do ovário vão aumentar nos próximos 20 anos

ler mais

RECENTES

ler mais