[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” categories=”off” […]

Cancro colorretal: realidade e perspetivas futuras

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” categories=”off” comments=”off” featured_image=”off” featured_placement=”above” parallax_effect=”on” parallax_method=”on” text_orientation=”center” text_color=”dark” text_background=”off” text_bg_color=”rgba(255,255,255,0.9)” title_all_caps=”off” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_css_post_image=”float: left;|| width: 180px;|| height:190px;|| object-fit: cover;|| margin-top: 30px;|| margin-right: 30px;|| margin-bottom: 10px;|| margin-left: 0;|| max-width: 180px;|| border: 3px solid #999999;|| border-radius: 150px;|| -webkit-filter: grayscale(100%);|| filter: grayscale(100%);” module_bg_color=”rgba(255,255,255,0)”] [/et_pb_post_title][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on” custom_css_main_1=”position: relative;||”][et_pb_column type=”1_4″][et_pb_team_member admin_label=”Dados do Médico” name=”Sandra Custódio ” position=”Oncologista do Hospital de Gaia.” image_url=”https://saudeonline.pt/wp-content/uploads/2018/02/Sandra-Custodio.jpg” animation=”off” background_layout=”light” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” module_class=”ds-thumbnail-blog-red” header_font=”|on|||” header_font_size=”16″ custom_css_member_image=”-webkit-clip-path: circle(50% at 50% 50%);||clip-path: circle(50% at 50% 50%);||”] [/et_pb_team_member][/et_pb_column][et_pb_column type=”3_4″][et_pb_text admin_label=”Corpo do texto” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]


O cancro colorectal é o cancro mais frequente em Portugal, com 7000 novos casos/ano. Corresponde à primeira causa de morte por cancro, sendo responsável por 4000 mortes/ano.

A idade é o principal fator de risco, em que 90% dos casos são diagnosticados em indivíduos com mais de 50 anos, sendo a idade mediana 72 anos. Outros fatores de risco a ter em conta são a Doença Inflamatória Intestinal, como a Colite Ulcerosa e a Doença de Crohn, e história familiar de cancro colorectal, sobretudo em familiares de 1º grau e/ou idades de diagnóstico jovens ( <50 anos). O tabagismo, a obesidade, a diabetes mellitus tipo 2 e a alimentação rica em gorduras e carne vermelha são historicamente associados ao aparecimento de cancro colorectal, embora estas associações não estejam tão bem estabelecidas.

A perda de sangue nas fezes é um sinal de alarme, que deve fazer o utente recorrer ao médico assistente num curto espaço de tempo, uma vez que corresponde à forma de apresentação mais comum. Alteração dos hábitos intestinais (alternância entre diarreia/obstipação), cólicas abdominais e sensação de esvaziamento intestinal incompleto, correspondem também a sintomas de alerta. O cansaço e a perda de peso, não explicada por outro motivo, estão geralmente associados a uma doença mais avançada.

Quando diagnosticado precocemente, a taxa de cura ronda os 90%. Em Portugal, está implementado um programa de rastreio, cujo principal objetivo é o diagnóstico de lesões pré-malignas ou de lesões malignas em estádio inicial. Este programa assenta na realização de Pesquisa de Sangue Oculto nas Fezes a indivíduos assintomáticos entre os 50 e os 74 anos, a cada 2 anos. Sempre que o teste for positivo, é mandatória a realização de uma colonoscopia total diagnóstica. Este exame para além de fazer o diagnóstico de lesões malignas, deteta pólipos adenomatosos, que podem ser removidos durante o exame. Estes pólipos adenomatosos correspondem a lesões precursoras de cancro, que quando identificadas e excisadas atempadamente, é evitada a sua progressão para cancro. Esta progressão geralmente ocorre por alterações genéticas em genes chave, como é caso dos genes APC, Kras e p53.

O diagnóstico definitivo de cancro é realizado a partir da análise histológica de tecido, obtido através de uma biópsia. Esta biopsia poderá ser da lesão tumoral primária do intestino (acessível por colonoscopia) ou, mais raramente e em caso de doença avançada, de alguma lesão metastática à distância, como do fígado ou do pulmão. Exames de imagem, como o TAC e a ressonância magnética, no caso do reto, são essenciais para o estadiamento da doença, ou seja, para definir qual a extensão da doença, por forma a delinear a melhor estratégia terapêutica.

A biópsia líquida é uma ferramenta inovadora, que no cancro colorectal, começa a dar os primeiros passos na prática clínica. Distingue-se das biópsias de tecido convencionais, por ser uma técnica simples, não invasiva, cujos resultados poderão estar disponíveis rapidamente. Esta técnica consiste numa colheita de sangue e posterior análise do material genético tumoral em circulação. Em alguns casos, permite a caracterização do perfil molecular do tumor, e consequentemente contribui para uma escolha terapêutica mais diferenciada, de acordo com as alterações encontradas, aumentando assim a probabilidade de sucesso. Assim, prevê-se que a utilidade das biópsias líquidas venha a ser, num futuro próximo, bastante abrangente, com impacto a nível do diagnóstico, do tratamento e monitorização da doença ao longo do tempo, podendo inclusive antecipar a sua progressão.

A evolução e desenvolvimento deste tipo de técnicas, em várias áreas da Oncologia, antecipam que a Medicina de Precisão será também uma realidade no Cancro colorectal, em que o tratamento desta doença será adaptado a cada indivíduo, com a perspetiva de potenciar a eficácia e minimizar os efeitos secundários.

 

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]
ler mais

RECENTES

ler mais