5 Mai, 2022

Última semana registou menor número de casos de SARS-CoV-2 desde aparecimento da Ómicron

No entanto, a OMS alerta que esta quebra no número de casos "deve ser interpretada com cautela". Europa continua a ser a região com mais infeções.

O mundo registou 3,8 milhões de casos de covid na última semana, o número mais baixo desde o aparecimento dos primeiros casos da variante dominante Ómicron em novembro, divulgou hoje a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo os dados apresentados pela OMS, e citados pela agência EFE, aquele valor (3,8 milhões) representa ainda uma redução de 17% em relação às infeções contabilizadas na semana anterior, ou seja de 18 a 24 de abril.

Apesar dos resultados animadores, a OMS alerta no seu relatório epidemiológico semanal que, devido à redução de testes em muitos países, esta quebra no número de casos “deve ser interpretado com cautela”. “É, de qualquer forma, a sexta semana consecutiva de quedas globais, longe dos recordes do final de janeiro, quando 23 milhões de infeções por semana foram registadas no mundo”, realça, porém, a OMS.

Segundo o relatório, a Europa permaneceu a região com mais infeções na última semana (1,8 milhão, embora com uma queda de 22% em relação à semana anterior), seguida pelo leste da Ásia (1,1 milhão, menos 20% face à semana anterior) e América (616.000, aumento de 13%).

Paralelamente, de 25 de abril a 01 de maio verificaram-se 15.700 óbitos, o que significou uma redução de 3% face à semana anterior e a confirmação da tendência de queda manifestada no início de fevereiro.

Segundo o relatório da OMS, o número semanal de mortes é agora o mais baixo desde o final de março de 2020.

A Europa teve 6.400 mortes por covid na semana passada, obtendo um decréscimo de 16%, enquanto na América foram contabilizadas 4.200, número semelhante ao da semana anterior. No sul da Ásia houve 2.600 mortes, o que representa um aumento de 69%, subida que se explica em parte pela contabilização na Índia de mortes ocorridas em meses anteriores.

No relatório desta semana, a OMS deixou de indicar a percentagem de casos analisados em laboratório que pertencem a variantes do coronavírus diferentes da ómicron, que é atualmente dominante (por exemplo, a delta e alfa), notando que “praticamente todas as sequências relatadas de covid são da variante omicron ”.

Desde o início da crise sanitária, há mais de dois anos, foram detetados 511 milhões de casos de covid no planeta, dos quais 6,2 milhões foram fatais, o que constitui a pior pandemia desde a gripe de 1918-20.

LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais