31 Mai, 2021

Tabagismo causa mais de 85% dos cancros do pulmão

Novas formas de tabaco, populares entre os mais jovens, são uma preocupação para o Grupo de Estudos do Cancro do Pulmão (GECP)

O tabaco é o principal fator de risco para o cancro do pulmão. Entre 85% a 90% dos novos casos são detetados em fumadores. Somente com uma redução dos hábitos tabágicos da população se poderá atingir uma redução dos casos de cancro do pulmão.

Nesta data, o GECP lembra que as novas formas de tabaco (entre as quais se destacam o tabaco aquecido e os cigarros eletrónicos), com crescente popularidade e aceitação entre os mais novos, não eliminam o risco e mantêm muitos dos malefícios do tabaco tradicional, de acordo com a evidência científica disponível.

“Com o conhecimento atual inegável sobre os malefícios do tabagismo, surgiram novas alternativas que têm vindo a ganhar popularidade. Existem em várias formas, tamanhos e com múltiplos sabores, e tem sido alegado que são mais seguras e até inócuas”, explica Daniel Coutinho, pneumologista do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho e membro do GECP.

“No entanto, estes produtos contêm químicos e toxinas (cancerígenas) com malefícios comprovados para a saúde”, afirma o especialista, lembrando que “a verdadeira dimensão dos seus efeitos só será conhecida daqui a muitos anos, como aconteceu com os cigarros, uma vez que os efeitos se vão acumulando no corpo ao longo dos anos e só mais tarde se traduzem em doenças”, fazendo assim o paralelismo do que aconteceu com o tabaco tradicional.

Por esse motivo, no dia em que se assinala o Dia Mundial Sem Tabaco, o GECP lança o alerta através das suas redes sociais, especialmente dirigido às camadas mais jovens, sob o mote “A única forma segura de fumar… é não fumar”, colocando a tónica na força de vontade e na decisão consciente, longe das ilusões que estes novos produtos procuram criar nos seus consumidores. “Não deixes que as cores e sabores se transformem em tumores” é uma das frases mais marcantes da campanha de sensibilização constituída por cartazes digitais e vídeos curtos, para alertar os jovens para os riscos destes novos produtos.

“As novas formas de tabaco continuam a ser muito prejudiciais e altamente indutores de dependência”, rematou o especialista, acrescentando que “os fumadores devem falar com o seu médico para esclarecer todas as dúvidas e procurar ajuda especializada no processo de cessação tabágica”.

COMUNICADO

ler mais

RECENTES

ler mais