Sindicato põe cartazes em Lisboa a pedir ao ministro da Saúde para que “não seja Centeno”

“Este ministro tem sido mais Centeno [ministro das Finanças] do que ministro da Saúde. Todas as atitudes que tem tido é de um ministro da Saúde que desistiu de defender o Serviço Nacional de Saúde”, afirmou Roque da Cunha, presidente do SIM.

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) colocou numa avenida de Lisboa dois cartazes com uma fotografia do ministro da Saúde onde pede a Adalberto Campos Fernandes para não ser ministro das Finanças.

“Não seja Centeno” é a mensagem central dos dois cartazes colocados na Avenida da República, numa forma de manifestação pública que o secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos reconhece ser inédita para o sindicato.

A frase central do cartaz é inspirada numa declaração que o próprio ministro da Saúde fez no parlamento, em finais de março, quando tentou negar a existência de qualquer crispação com as Finanças e, perante as acusações da oposição, garantiu: “Somos todos Centeno”.

Na véspera dos três dias de greve nacional de médicos, que começa hoje, o secretário-geral do SIM adianta que é a “primeira vez” que o sindicato usa esta forma de manifestar o seu descontentamento com um ministro da Saúde.

“Este ministro tem sido mais Centeno [ministro das Finanças] do que ministro da Saúde. Todas as atitudes que tem tido é de um ministro da Saúde que desistiu de defender o Serviço Nacional de Saúde”, afirmou Roque da Cunha em declarações à agência Lusa.

Nos dois cartazes colocados na Avenida da República é utilizada uma fotografia de Adalberto Campos Fernandes da autoria do fotojornalista da Lusa António Cotrim.

“Não seja Centeno! Seja ministro da Saúde!” é o apelo dos cartazes, onde o SIM lembra que há portugueses que ficam “dois anos à espera” de uma consulta e que a lista por médico de família é de cerca de 1.900 utentes.

A redução da lista de utentes, até cerca de 1.500, é uma das reivindicações dos dois sindicatos médicos que convocaram a greve nacional de três dias.

Em declarações à Lusa, Roque da Cunha lembrou que quer o SIM quer a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) sugeriram diversas vezes que o ministro Campos Fernandes participasse nas negociações com os sindicatos.

“É muito estranho que o ministro não queira participar. Fazemos um apelo ao ministro da Saúde para que seja ministro da Saúde”, declarou o sindicalista.

O médico entende que os profissionais “foram empurrados” para esta greve, para a qual pedem a “compreensão dos portugueses”.

Roque da Cunha disse estimar uma “expressiva adesão” à greve que começa na terça-feira, esperando que “finalmente o ministro da Saúde possa participar nas negociações”.

A reivindicação essencial para esta greve de três dias é “a defesa do SNS” e o respeito pela dignidade da profissão médica, segundo os dois sindicatos que convocaram a paralisação – o SIM e a Federação Nacional dos Médicos (FNAM).

Em termos mais concretos, os sindicatos querem uma redução do trabalho suplementar de 200 para 150 horas anuais, uma redução progressiva até 12 horas semanais de trabalho em urgência e uma diminuição gradual das listas de utentes dos médicos de família até 1.500 utentes, quando atualmente são de cerca de 1.900 doentes.

Entre os motivos da greve estão ainda a revisão das carreiras médicas e respetivas grelhas salariais, o descongelamento da progressão da carreira médica e a criação de um estatuto profissional de desgaste rápido e de risco e penosidade acrescidos, com a diminuição da idade da reforma.

A paralisação nacional de três dias, que termina às 24:00 de quinta-feira, deve afetar sobretudo consultas e cirurgias programadas, estando contudo garantidos serviços mínimos, como as urgências, tratamentos de quimioterapia, radioterapia, transplante, diálise, imuno-hemoterapia e cuidados paliativos em internamento.

A Ordem dos Médicos já veio publicamente apoiar a greve, por considerar que existem “razões objetivas” por parte dos profissionais. O bastonário disse mesmo que participar na paralisação é “defender a qualidade dos cuidados de saúde e os doentes”.

LUSA

FOTO: LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais