“O SIM Algarve lamenta e não aceita o desrespeito pela região algarvia manifestado pela ausência de vagas no atual concurso e exige que a situação seja corrigida com a abertura de vagas em número adequado às necessidades no Algarve no próximo concurso”, lê-se num comunicado publicado na página da internet do sindicato, esta quinta-feira.

De acordo com o SIM, os quadros médicos daquelas especialidades nos hospitais de Faro e de Portimão estão reduzidos a um terço das suas necessidades, “funcionando as duas maternidades com recurso à contratação externa de mais de 50% de médicos, durante todo o ano, para assegurar o atendimento no serviço de urgência”.

A estrutura sindical representativa dos médicos acrescentou que “foi com enorme surpresa e preocupação que constatou que o CHUA não foi contemplado com nenhuma vaga para especialidades tão carenciadas na região do Algarve”, como são a ginecologia/obstetrícia e ortopedia, no recente concurso para assistentes hospitalares publicado no Diário da República no dia 19 de dezembro.

LUSA