1 Jul, 2021

Quarta vaga. Situação “vai piorar antes de melhorar”, avisa Carmo Gomes

O epidemiologista considera que o país desconfinou “rápido de mais”. Vários concelhos da AML estão em risco de recuar para o nível de restrições de Lisboa.

Nos últimos dias a situação epidemiológica agravou-se com o aumento de diagnósticos em todo o país. Os contágios têm-se multiplicado nos convívios, e o professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Manuel Carmo Gomes afirma ao Jornal i que a situação “vai piorar antes de melhorar”.

O também epidemiologista adianta que a situação do país “vai melhorar antes de piorar” e considera que o país desconfinou “rápido de mais” e que “fomos pouco prudentes”, pois em maio já existiam indicadores que apontavam para esta situação, salientando que foram ouvidas “declarações pouco cautelosas de altos responsáveis de que a pressão não seria a mesma porque as pessoas já estavam vacinadas, que de alguma forma podem ter contribuído para o relaxamento das faixas etárias mais novas”. O especialista considera que “neste momento temos uma corrida entre a variante delta e a vacinação”.

Os dados epidemiológicos revelam que as medidas das últimas semanas tiveram pouco efeito no alastramento da variante delta no país ou na contenção do aumento de casos. De acordo com informações a que o Jornal i teve acesso, o RT voltou a subir na Área Metropolitana de Lisboa e segunda-feira registaram-se 360 casos na capital, sendo que as notificações estão a surgir com atrasos.

Na semana passada, quase todos os concelhos da Área Metropolitana de Lisboa ficaram em risco de andar para trás no desconfinamento, pois registaram números acima dos 240 casos por 100 mil habitantes, arriscando-se a recuar para horários de fecho às 15:30 ao fim de semana. O conselho de ministros desta quinta-feira vai ser decisivo no que toca ao eventual aumento das restrições nestes concelhos mas também a nível nacional, como pedem os especialistas.

Lisboa e Albufeira já recuaram na semana passada, sendo que a capital passou os 600 casos por 100 mil habitantes e Albufeira está acima dos 700, e devem de manter-se na etapa de desconfinamento mais recuada do plano que está a ser seguido pelo Governo.

No Norte, o Porto mantém-se pela segunda semana consecutiva acima dos 120 casos por 100 mil habitantes e deve de recuar para horários de fecho às 22:30.

SO

ler mais

RECENTES

ler mais