10 Jul, 2024

Politécnico e ULS de Coimbra “criam ponte” entre academia e contexto clínico

O Politécnico de Coimbra e a ULS de Coimbra formalizaram um protocolo para “criar uma ponte entre academia e contexto clínico”, contribuindo para o desenvolvimento de “projetos inovadores que beneficiarão a comunidade”.

“Para este concurso [do Politécnico e da ULS de Coimbra] vai ser disponibilizado um envelope financeiro de 40 mil euros para o financiamento de quatro projetos de caráter exploratório, envolvendo investigadores de ambas as instituições e, sempre que possível, incluindo estudantes no seu desenvolvimento e que alimentem de alguma forma a investigação de caráter multidisciplinar”, revelou Telmo Pereira, vice-presidente da Escola Superior de Tecnologia da Saúde (ESTeSC) do Instituto Politécnico de Coimbra (IPC).

A ESTeSC do IPC e a ULS de Coimbra celebraram um acordo de parceria, denominado CO4ID – Co Creating for Inter-disciplinarity. O acordo firmado entre as duas instituições visa “fomentar a colaboração interinstitucional, promover a interdisciplinaridade na área da saúde e tecnologia e contribuir para o desenvolvimento de projetos inovadores que beneficiarão a comunidade de Coimbra”.

Durante a formalização da parceria,  Telmo Pereira informou que este concurso pretende criar “uma simbiose entre o contexto académico e contexto de cariz mais clínico”. “Os projetos serão de caráter exploratório e que possam ancorar ideias preliminares, que futuramente possam levar à criação e ao desenvolvimento de projetos mais sólidos e que visem outro financiamento”, explicou, acrescentando que deverão ter uma duração entre 12 e 18 meses.

Em seu entender, esta iniciativa “contribuirá decisivamente para densificar as atividades de investigação, bem como os seus outputs”, para além de promover “uma renovada forma de parceria entre a academia e o contexto clínico, que seguramente terá benefícios para a região”.

Já Alexandre Lourenço evidenciou que a ULS de Coimbra tem a ambição de ser a unidade de saúde em Portugal com maior grau de inovação. “Sabemos que os desafios que temos na saúde passam, essencialmente, pela necessidade de inovar e de encontrar novas soluções para prestar cuidados. E nada melhor do que trabalharmos com uma escola de tecnologias da saúde para conseguir cumprir esse objetivo”, justificou.

Ainda de acordo com o presidente da ULS de Coimbra, os atuais modelos de cuidados “não servem, nem são suficientes, para enfrentar os desafios na área da prevenção, do diagnóstico, da prestação de cuidados de saúde”. “Estes quatro projetos podem ser a semente de um trabalho muito mais intenso, em termos de inovação e desenvolvimento de financiamentos também nacionais, ao nível do [quadro comunitário de apoio] PT 2030”, indicou.

Já o presidente da ESTeSC considerou que foi criada “a ponte que tardava”, entre a academia e o e o meio clínico. “Estou convencido que iremos, através desta semente, catapultar a nossa investigação, para depois fazermos candidaturas mais competitivas e trazer dinheiro para as instituições”, alegou.

Na sua intervenção, na cerimónia de assinatura da parceria, o presidente do IPC, Jorge Conde, frisou que este é um primeiro mecanismo “capaz de ajudar a que essas sementes se lancem à terra e depois possam crescer”. “Este é mais um passo para garantirmos que entre as duas instituições é possível fazer coisas novas e estabelecer novos horizontes na investigação, que trará melhor trabalho para todos , mas fundamentalmente trará melhores resultados para os doentes, para aqueles que formamos para formar”, concluiu.

LUSA

Notícia relacionada

Coimbra lidera estrutura nacional com a ambição de alavancar ensaios clínicos

Redes Sociais:
Email
X (Twitter)
Visit Us
Follow Me
YouTube
LinkedIn
Share
Instagram
ler mais
Redes Sociais:
Email
X (Twitter)
Visit Us
Follow Me
YouTube
LinkedIn
Share
Instagram
ler mais