8 Jul, 2021

Perto de 450 mil rastreios ficaram por fazer no primeiro ano de pandemia

Entre março de 2020 e fevereiro deste ano, registou-se uma quebra dos rastreios oncológicos. Mamografia foi exame mais afetado.

Perto de 450 mil rastreios aos cancros da mama, do útero e do colo e reto ficaram por realizar no primeiro ano de pandemia, bem como 29 milhões de exames complementares de diagnóstico e terapêutica.

Os dados fazem parte do estudo “O impacto da pandemia covid-19 na prestação dos cuidados de saúde em Portugal”, promovido pelo Movimento Saúde em Dia, realizado pela consultora MOAI com dados do Portal da Transparência do Serviço Nacional de Saúde, recolhidos entre 25 de junho e 05 de julho de 2021.

A análise, que comparou os dados disponíveis do primeiro ano de pandemia (março 2020 a fevereiro de 2021) com o período imediatamente anterior (março 2019 a fevereiro 2020), mostra uma quebra nos rastreios realizados no âmbito do programa de rastreios oncológicos nos cuidados de saúde primários.

Segundo o estudo, houve menos 21% de mulheres com registo de mamografia nos últimos dois anos (169.485), menos 12% de mulheres com colpocitologia atualizada (140.872) e menos 7% com rastreio do cólon e reto (125.322).

Em declarações à agência Lusa, o bastonário da OM, Miguel Guimarães, considerou estes dados “muito preocupantes”: “Foram quase 450 mil que não fizerem o rastreio, o que significa que o diagnóstico precoce de cancro nestas áreas específicas ficou prejudicado e que vamos ter apresentações de alguns destes cancros em estadios claramente mais avançados, o que já está a acontecer e tem sido relatado pelos serviços de oncologia”.

 

Menos 30% de exames de diagnóstico e terapêutica

 

Por outro lado, salientou, “foram feitos menos 30% de exames complementares de diagnóstico e terapêutica”, o equivalente a menos 29 milhões de atos, o que “num país de 10 milhões tem significado” e “vai ter impacto”.

Miguel Guimarães exemplificou com a quebra de 37% de exames feitos na área da Medicina Física e de Reabilitação, na radiologia (45%), na cardiologia (35%), na pneumologia (54%), na eletroencefalografia (61%), nas endoscopias digestivas (35%) “e por aí adiante”.

Perante este retrato, o bastonário afirmou que esta é “uma situação difícil” e que a sua resolução deve ser considerada “prioritária para o país”.

“Uma nota recente da União Europeia relativamente aos doentes não covid que ficaram para trás dizia que Portugal é dos piores países a nível europeu”, lamentou.

Observou ainda que não se conseguiu ter um mês a partir de março de 2020, início da pandemia, ou um mês deste ano em que a atividade programada assistencial estivesse comparada a um mês homólogo do ano 2019.

“A comparação que, por exemplo, o Governo veio fazer há pouco tempo, dizendo que em abril de 2021 já operamos mais doentes do que em abril de 2020, não é uma comparação séria porque em 2020 os números caíram todos”, disse, explicando que tem que se comparar é com o ano de 2019, antes da pandemia.

Para recuperar os doentes, tem de se fazer mais do que se fazia antes a pandemia, disse, salientando em “em tempo normal”, a atividade assistencial aumenta entre 3% a 5% de um ano para o outro”.

“Não é só resolver o problema das listas de espera, mas tentar identificar todos os doentes que ficaram para trás”, frisou, defendendo que para isso é preciso criar “um programa excecional de recuperação” dos doentes, o que implica um investimento e “uma grande mobilização” das pessoas, do Serviço Nacional de Saúde e dos setores social e privado.

Segundo o bastonário, o programa tem de ser “fácil de executar”, monitorizado “passo a passo” e envolver todos os parceiros.

Por outro lado, “é urgente” libertar os médicos de família para as suas tarefas habituais e contratar médicos que estão fora do sistema e outros profissionais para o plano de vacinação e para as tarefas relacionadas com a covid-19, para pôr “a máquina toda a funcionar”.

LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais