11 Mar, 2020

Medicamentos: EMA não tem registo de falhas no abastecimento mas pede resiliência

As autoridades do medicamento da União Europeia estão a monitorizar o abastecimento de medicamentos por causa do Covid-19.

Numa nota disponível na página do Infarmed, é referido que a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) e as autoridades do medicamento da União Europeia estão a monitorizar de perto o potencial impacto do surto de Covid-19 nas cadeias de medicamentos.

Contudo, as autoridades sublinham que não foram recebidos, até ao momento, relatórios sobre falhas de abastecimento ou interrupções no fornecimento de medicamentos comercializados na UE.

“No entanto, à medida que a emergência de saúde pública se desenvolve, a escassez ou interrupções de abastecimento de medicamentos não podem ser excluídas”, destacam.

A UE (EMA, a Comissão Europeia e as Autoridades competentes dos Estados Membros) organizaram a primeira reunião do Grupo Executivo da União Europeia sobre a escassez de medicamentos causados por grandes eventos, para discutir medidas destinadas a abordar o impacto do surto de Covid-19 no fornecimento de medicamentos na União Europeia.

Nesta reunião, as autoridades destacaram que é responsabilidade das empresas farmacêuticas garantir a continuidade do fornecimento de medicamentos.

Por isso, recomendam, por exemplo, que os fabricantes implementem medidas de resiliência apropriadas, como o aumento de ‘stocks’ ou o fornecimento duplo de produtos e materiais.

Na nota, é referido que o grupo executivo vai identificar e coordenar as ações em toda a UE “para, se necessário, proteger os pacientes se existirem falhas de abastecimento de medicamentos na União Europeia.

O grupo pretende também garantir que os pacientes e profissionais de saúde em toda a UE “sejam informados de maneira consistente e transparente sobre os riscos e as ações corretivas adotadas”.

SO/LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais