11 Mai, 2022

Mais de 100 hospitais já foram destruídos por bombardeamentos russos na Ucrânia

Para além dos hospitais, foram também destruídas centenas de farmácias e de outras instituições médicas na Ucrânia.

As forças russas destruíram 101 hospitais e danificaram ou capturaram cerca de 200 ambulâncias em todo o país desde o início da invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro, denunciou o Ministério da Saúde ucraniano.

“Durante 77 dias seguidos (de invasão), os terroristas russos bombardearam bairros residenciais e alvos civis”, afirmou o ministério num comunicado.

A nota informativa precisou que “projéteis e mísseis disparados pelos ocupantes atingiram 600 instituições médicas ucranianas. Cerca de 101 hospitais foram completamente destruídos e não podem mais ser reabilitados”.

O exército russo também destruiu 450 farmácias em todo o país, acrescentou a mesma fonte.

“Por detrás de cada um destes números está a vida de um ucraniano, a vida de alguém que não chegou ao hospital a tempo, ou alguém que não tinha para onde ir, ou alguém que não foi autorizado a entrar pelos militares russos”, destacou ainda o ministério.

O Ministério da Saúde ucraniano assegurou que, com estas ações, a Rússia ignora todas as normas e convenções do direito internacional.

Em 06 de maio, este ministério pediu às empresas farmacêuticas internacionais que reduzissem o conjunto de medicamentos que importam da Rússia, já que a receita que geram vai para o orçamento do país que está a atacar a Ucrânia.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de três mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou a fuga de mais de 13 milhões de pessoas, das quais mais de 5,6 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais