[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” categories=”off” […]

Dia Mundial do AVC assinala-se a 29 de outubro

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” categories=”off” comments=”off” featured_image=”off” featured_placement=”above” parallax_effect=”on” parallax_method=”on” text_orientation=”center” text_color=”dark” text_background=”off” text_bg_color=”rgba(255,255,255,0.9)” title_all_caps=”off” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_css_post_image=”float: left;|| width: 180px;|| height:190px;|| object-fit: cover;|| margin-top: 30px;|| margin-right: 30px;|| margin-bottom: 10px;|| margin-left: 0;|| max-width: 180px;|| border: 3px solid #999999;|| border-radius: 150px;|| -webkit-filter: grayscale(100%);|| filter: grayscale(100%);” module_bg_color=”rgba(255,255,255,0)”] [/et_pb_post_title][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on” custom_css_main_1=”position: relative;||”][et_pb_column type=”1_4″][et_pb_team_member admin_label=”Dados do Médico” name=”Eduardo Infante de Oliveira” position=”Membro da direção da Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC) ” image_url=”https://saudeonline.pt/wp-content/uploads/2017/10/Eduardo-Oliveira.jpg” animation=”off” background_layout=”light” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” module_class=”ds-thumbnail-blog-red” header_font=”|on|||” header_font_size=”16″ custom_css_member_image=”-webkit-clip-path: circle(50% at 50% 50%);||clip-path: circle(50% at 50% 50%);||”] [/et_pb_team_member][/et_pb_column][et_pb_column type=”3_4″][et_pb_text admin_label=”Corpo do texto” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

A fibrilhação auricular é uma perturbação do ritmo cardíaco (arritmia) que se associa ao risco de acidente vascular cerebral (AVC). Nesta arritmia, o coração perde a capacidade de contração das aurículas. A estagnação de sangue nestas cavidades proporciona a formação de coágulos (trombos) que poderão deslocar-se e migrar para a circulação cerebral e provocar um AVC. O AVC continua a ser a principal causa de morte e incapacidade em Portugal e a fibrilhação auricular é responsável por cerca de um terço dos casos.

Os medicamentos anticoagulantes contrariam a formação de coágulos e são a primeira linha na prevenção do AVC na fibrilhação auricular. Contudo, os anticoagulantes aumentam o risco de sangramento (hemorragia) e estima-se que cerca de 1 em cada 4 doentes não tolere ou apresente contraindicação para a toma destes fármacos. Para este grupo de doentes, a cardiologia de intervenção oferece uma alternativa. Através de um cateter introduzido na região femoral, é possível alcançar o coração e implantar um dispositivo que encerra o local onde a formação de coágulos é mais provável. Esse local é o apêndice auricular esquerdo, uma pequena extensão da aurícula esquerda que é responsável pela formação de cerca de 90% dos trombos associados à fibrilhação auricular.

O encerramento do apêndice auricular esquerdo através de cateter representa uma importante evolução na prevenção do AVC, oferecendo uma alternativa não-inferior à anticoagulação em doentes que não toleram ou apresentam elevado risco de sangramento. Este procedimento não é uma cirurgia, pode ser oferecido em múltiplas unidades públicas e privadas de norte a sul do país e geralmente implica apenas um dia de internamento.

São múltiplos os desafios na prevenção do AVC associado à fibrilhação auricular. Esta arritmia é frequentemente silenciosa, dificultando o seu diagnóstico. Estima-se que cerca de metade dos doentes com fibrilhação auricular não estejam devidamente identificados e protegidos. Recomendamos que palpe o seu pulso e procure o seu médico. Um pulso irregular poderá corresponder a fibrilhação auricular.

A adesão terapêutica é outro obstáculo. É frequentemente difícil motivar um doente com fibrilhação auricular para a adesão a um regime terapêutico prolongado, particularmente quando não tem sintomas associados. É necessário que a população compreenda que na presença de fibrilhação auricular o risco anual de AVC vai até 20% (1 em cada 5 doentes). Os doentes deverão estar devidamente protegidos, procurando cuidados médicos e mantendo a adesão terapêutica.

Para mais informações pode enviar email para:  apic@spc.pt 

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]
ler mais

RECENTES

ler mais