4 Fev, 2020

Casos de cancro poderão aumentar 60% em 20 anos

Nos países mais pobres, o cenário é ainda pior, se se mantiver o ritmo de expansão da doença, alerta a Organização Mundial de Saúde.

Num relatório sobre cancro, aquela agência das Nações Unidas salienta que nos países com rendimentos médios ou baixos poderá haver um aumento de 81% de casos de cancro até 2040, atribuindo a disparidade à diferença de serviços de tratamento.

Enquanto 90% dos países com maior rendimento têm tratamento integral, só 15% dos países mais pobres têm essa capacidade, nota a OMS, que defende como essencial o controlo da doença, sobretudo diagnóstico, tratamento, gestão, cuidados paliativos e vigilância.

Segundo os números mais recentes, em 2018 havia mais de 18,1 milhões de pessoas com algum tipo de cancro, fatal em 9,6 milhões dos casos.

“A cada ano que passa sem um controlo eficaz, a resposta ao cancro é mais cara e aumentam as mortes que poderiam ser evitadas”, afirmou o diretor-geral-adjunto da OMS para doenças não transmissíveis, Ren Minghui.

Investimentos relativamente baixos – entre 2,7 e 8,15 dólares por pessoa, dependendo do escalão económico de cada país – poderiam evitar até sete milhões de mortes nos próximos 10 anos, assinala a OMS, que contraria a ideia de que o cancro é uma doença cara.

A OMS defende medidas preventivas como a redução do tabagismo – responsável por um quarto das mortes – e vacinação contra a hepatite B, que previne o cancro do fígado, e vacinação contra o vírus do papiloma humano, que provoca cancro do colo do útero.

A prevenção demonstrou a sua eficácia nos países mais desenvolvidos, onde programas de exames médicos preventivos e tratamentos de qualidade permitiram reduzir em 20% a mortalidade dos casos de cancro entre 2000 e 2015, período em que os países mais pobres só conseguiram reduzir as mortes em 05%.

Os peritos da OMS consideram que os diagnósticos precoces são a melhor alternativa para entre um terço e metade dos tipos de cancro que não se conseguem prevenir.

No entanto, quanto mais pobre o país, mais tarde a doença é detetada, numa fase em que os tratamentos são mais caros, têm mais efeitos adversos e não são tão eficazes.

SO/LUSA

Notícias relacionadas:

Incidência de cancro aumenta em Portugal mas mortalidade estabiliza

O ano passado foram registados cerca de 50 mil casos. A incidência está em crescimento mas a mortalidade mantém-se estabilizada. A tendência é para um aumento do número de casos mas a qualidade dos cuidados médicos é cada vez melhor.

Incidência de cancro aumenta em Portugal mas mortalidade estabiliza

No ano passado foram registados cerca de 50 mil casos. A incidência está em crescimento mas a mortalidade mantém-se estabilizada. A tendência é para um aumento do número de casos mas a qualidade dos cuidados médicos é cada vez melhor.

Sobrevivência ao cancro aumenta no mundo e Portugal está na linha da frente

Portugal está entre os países com maior taxa de sobrevivência à doença. No mundo a taxa está a aumentar, apesar de a riqueza ainda determinar quem sobrevive

Casos de cancro poderão aumentar 60% em 20 anos

Nos países mais pobres, o cenário é ainda pior, se se mantiver o ritmo de expansão da doença, alerta a Organização Mundial de Saúde.

Níveis mais altos de testosterona e IGF-I aumentam risco de cancro da próstata

Estudo de grandes dimensões, que envolveu mais de 200 mil homens, confirmou um aumento do risco até 25%.

ler mais

RECENTES

ler mais