7 Mar, 2022

SARS-CoV-2. “Endemia” e “benignidade” não são sinónimos, avisa José Artur Paiva

Existem doenças endémicas, como a malária e a tuberculose, que mostram o quanto é essencial manter a vigilância, diz o diretor de Medicina Intensiva do Hospital de São João.

O diretor de Medicina Intensiva do Hospital de São João, no Porto, afirma que “faz sentido” regressar à normalidade, mas a máscara “deve ser a última a cair”, e alertou que “endemia” e “benignidade” não são sinónimos.

“Regressar à vida económica e social faz sentido e é preciso. Precisamos nós e precisa o país, mas para voltar [à normalidade] não devemos mudar tudo ao mesmo tempo. A máscara deve ser a última coisa a cair”, defendeu José Artur Paiva, em entrevista à agência Lusa, a propósito dos dois anos do aparecimento da covid-19 em Portugal.

Para o co-coordenador da Comissão de Acompanhamento da Resposta Nacional em Medicina Intensiva para a covid-19, é claro que o país está “a entrar numa fase que se pode designar de endemia”, mas a palavra “endemia” não deve ser confundida com “benignidade”, nem se deve perder a noção de que a realidade mundial é diferente.

“Neste contexto [europeu] muito particular é possível dizer que estamos a entrar numa fase de endemia. Mas não podemos dizer que estamos em endemia à escala mundial. Não podemos achar que à escala do nosso relacionamento internacional estamos em endemia. Estar em endemia não quer dizer que as novas variantes sejam benignas e que a doença vai evoluir para benignidade”, sublinhou.

Contrariando o romantismo com que a palavra “endemia” é por vezes utilizada, José Artur Paiva lembrou que existem doenças endémicas, como a malária e a tuberculose, que mostram o quanto é essencial manter a vigilância.

“É muito importante que façamos nos próximos tempos uma caracterização muito precisa das pessoas que têm formas graves da doença: as que morrem e as que são internadas em Medicina Intensiva. Esta caracterização vai-nos responder a perguntas muito importantes para os próximos tempos”, referiu.

Em causa estão questões como “quem é que será vacinado no futuro” ou “a vacina contra a covid-19 será universal ou para grupos de risco como a da gripe”, considerou.

Mas também perguntas relacionadas com o uso dos antivirais: “Em quem fará sentido aplicar medicamentos que, pelo menos num momento inicial, serão caros?”, apontou.

À Lusa, o diretor do serviço de Medicina Intensiva do Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ) enfatizou a importância da vigilância microbiológica, lembrando que “estar atento ao aparecimento de novas variantes é uma lição que o país deve aprender”.

“Quando olhamos para trás e pensamos nos momentos que correram pior, [percebemos que] foram quando apareceram as novas variantes”, disse o especialista.

Chefe de um serviço onde na quarta-feira estavam 10 doentes internados com covid-19, mas que chegou a ter 116 camas ativas para críticos no inverno de 2021, José Artur Paiva referiu que “é mais provável” Portugal estar num “momento de retoma agora do que daqui a seis meses”, mas um regresso à normalidade exige “uma almofada de segurança”.

“A lavagem das mãos e o arejamento dos espaços são para ficar, mas há mais do que isso”, disse José Artur Paiva sobre a política de realização de testes, defendendo que se deve focar nas pessoas que têm sintomas e não no rastreio.

Ainda sobre o futuro e o desejado regresso a uma vida semelhante à pré-covid, Artur Paiva lembrou que a preocupação tem de ser global e a vacina deve ser levada às áreas menos cuidadas do mundo.

LUSA

Print Friendly, PDF & Email
ler mais

RECENTES

Print Friendly, PDF & Email
ler mais