22 Abr, 2020

Reino Unido começa a testar vacina em humanos na quinta-feira

Desenvolvimento da vacina, em "tempos normais, levaria anos", disse ainda o ministro da Saúde britânico Matt Hancock.

Cientistas britânicos da Universidade de Oxford começam a testar uma vacina para a covid-19 em humanos na quinta-feira, anunciou hoje o ministro da Saúde britânico, Matt Hancock.

“Em tempos normais, atingir esse estágio levaria anos”, disse o ministro em conferência de imprensa, enfatizando que o processo de desenvolvimento de uma vacina é uma questão de “tentativa e erro”.

Apesar das incertezas, “as vantagens de ser o primeiro país do mundo a desenvolver uma vacina bem-sucedida são tão grandes que estou a investir todos os recursos possíveis”, sublinhou Hancock.

O ministro da Saúde disse que disponibilizou 20 milhões de libras (22,60 milhões de euros) para a equipa de Oxford e outros 22 milhões de libras (24,90 milhões de euros) para outro projeto de vacina desenvolvido no Imperial College of London.

“Vamos dar-lhes todos os recursos necessários para maximizar as suas hipóteses de sucesso o mais rápido possível”, afirmou Hancock.

Enquanto essas duas investigações prosseguem, o Governo britânico anunciou que também investirá para aumentar sua “capacidade de fabrico”.

“Se uma dessas duas vacinas funcionar e for segura, podemos disponibilizá-la aos britânicos o mais rápido possível humanamente”, adiantou.

O consultor científico do Governo britânico Patrick Vallance alertou esta semana que o processo de desenvolvimento de uma vacina pode ser demorado, mesmo que mostre sinais positivos de que pode proteger contra o vírus.

“Todas as novas vacinas que começam a ser desenvolvidas são projetos de longo prazo. Apenas algumas acabam tendo sucesso. Com o coronavírus, não será diferente e apresenta novos desafios”, alertou.

SO/LUSA

 

 

Pub

 

[box] Notícias Relacionadas:

Vacina antipneumocócica reduz em 73% risco de internamento por pneumonia

A Drª. Isabel Saraiva, fundadora do Movimento Doentes pela Vacinação, defende a gratuitidade da vacina contra a pneumonia para os maiores de 65 anos. Apenas metade dos médicos recomenda a vacina, lamenta.

Prof. Luís Varandas: “Se não vacinarmos, as doenças infecciosas vão reemergir”

“Os serviços de saúde estão organizados para garantirem uma separação entre os doentes Covid e os não-Covid. O risco é muito baixo e os benefícios da vacinação são muito altos”, diz o Prof. Luís Varandas, pediatria e membro da Comissão de Vacinas da SPP.

Vacinação está em queda. Risco de um surto de sarampo é real

Portugal já regista tantos casos como em quase todo o ano passado e na Europa o surto começa a formar-se. Médico Rui Nogueira reforça que existem circuitos separados nos centros de saúde.

[/box]
ler mais

RECENTES

ler mais