10 Ago, 2020

Quatro dirigentes saíram da DGS em poucas semanas

DGS garante que quatro saídas num curto espaço de tempo são "coincidência" e recusa que divergências no combate à pandemia estejam na origem das decisões.

Foram quatro as substituições consumadas nas últimas semanas na cúpula da Direção Geral de Saúde (DGS). De forma discreta, entraram dois novos subdiretores-gerais e duas novas diretoras, avança o jornal Público.

Com a pandemia de Covid-19 longe do fim, registaram-se mudanças de peso no interior da DGS. Saíram dois subdiretores-gerais, o médico Diogo Cruz (que vai voltar ao Hospital de Santa Maria para o Serviço de Medicina Interna) e Catarina Sena, que morreu em abril. Para os seus lugares, entram na DGS o médico de Saúde Pública Rui Portugal e a administradora hospitalar Vanessa Gouveia, nomeada em regime de substituição.

Rui Portugal é também docente no Instituto de Saúde Pública e Medicina Preventiva da Universidade de Lisboa e foi, apenas durante dois meses, responsável pelo gabinete de crise para a Covid-19 em Lisboa e Vale do Tejo. Antes ocupou o cargo de delegado de Saúde de Lisboa.

Já Vanessa Gouveia é licenciada em gestão de recursos humanos e em enfermagem e já dirigiu o Agrupamento de Centros de Saúde da Amadora entre 2014 e 2018.

Também deixaram o cargo a diretora dos Serviços de Informação e Análise, Graça Lima, e a chefe de Divisão de Epidemiologia e Estatística, a epidemiologista Rita Sá Machado. Foram, entretanto, substituídas por Inês Fronteira (que foi adjunta da Ministra da Saúde durante um ano e por Luís Guedes (que se encontra em regime de substituição), respetivamente.

A DGS garante, no entanto, que as mudanças não passam de “coincidência” e que nada têm a ver com eventuais divergências quanto ao combate à pandemia. A DSG recusa que a saída de Rita Sá Machado tenha sido motivada por divergências com o poder político nas reuniões do Infarmed, como chegou a ser noticiado. A médica teria discordado da ideia de que o aumento de casos se devia ao aumento do número de testes, como defendia o governo.

TC/SO

ler mais

RECENTES

ler mais