11 Mar, 2020

Material de proteção começa a escassear. Hospital de Coimbra equipa médicos com fatos de pintor

Máscaras, luvas e desinfetantes começam a escassear. Há registo de furtos de material em várias zonas do país. Hospital de Elvas abriu inquérito.

Com os materiais de proteção individual a começarem a escassear em várias zonas do país, surgem soluções originais para proteger as equipas médicas no terreno. Segundo o Expresso, o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra decidiu esta semana adquirir fatos de pintor para equipar os médicos que estejam na linha da frente do combate ao Covid-19.

Os fatos foram adquiridos numa superfície comercial próxima do hospital e estão a ser usados pelos profissionais que trabalham no serviço de urgência.

“O que é importante reter é isto: não havia material e fez-se um esforço para tentar proteger as pessoas do melhor modo possível…teve de improvisar-se”, resume um médico num grupo fechado na Internet.

A verdade é que a falta de equipamentos de proteção é um problema que já afeta grandes unidades de saúde em todo o país. Em Santa Maria, por exemplo, já faltam batas e luvas e não existe sequer perspetiva de esses materiais poderem ser repostos a curto prazo. Em Coimbra, também já escasseiam óculos, desinfetantes ou máscaras.

Como se não bastasse a insuficiência de recursos, muitos hospitais veem-se ainda a braços com situações de desvio de materiais. Do Hospital de Santa Luzia, em Elvas, desapareceram dezenas de máscaras de protecção. O hospital já abriu um inquérito, apesar de o Presidente da Administração Regional de Saúde do Alentejo, José Robalo, garantir que o roubo não teve implicação no funcionamento normal da instituição”.

“Temos pessoas a roubar máscaras e soluções desinfectantes. Não se sabe para quê, só para açambarcar? Para vender? Isto é incrível“, insurge-se um profissional de uma grande unidade da zona Norte, citado pelo Diário de Notícias.

Em Lisboa, situações deste género repetem-se. Desapareceram “várias caixas de máscaras, desinfectantes e de luvas, mas não se pode fazer muito mais. Há pessoas que, infelizmente, têm esta perspetiva de roubar, prejudicando os outros para ganância pessoal”, diz outro profissional.

TC/SO

ler mais

RECENTES

ler mais