23 Nov, 2021

Mais de 400 médicos saíram do SNS desde o fim do estado de emergência

Falta de profissionais, excesso de horas extras e falta de tempo e condições para fazer investigação são dos motivos mais apontados para as rescisões.

Com o fim da proibição de saída do SNS, quando terminou o último estado de emergência, acentuou-se a saída de profissionais dos hospitais públicos. Desde dia 1 de maio deste ano, 404 médicos rescindiram contrato com o Estado, avança a CNN Portugal, citando dados da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS).

Na origem destas saídas estão fatores como a falta de condições, falta de profissionais, excesso de horas extras, fraco investimento em hospitais públicos e falta de tempo e condições para fazer investigação.

O primeiro mês sem estado de emergência (maio) foi aquele que registou um maior número de rescisões de clínicos – 104. Em junho saíram 48, em julho desvincularam-se outros 78, em agosto 55, em setembro 77 e em outubro 42. Muitos dos médicos que abandonaram o SNS são especialistas em Medicina Interna, uma das especialidades que esteve na linha da frente do combate à pandemia de Covid-19.

A internista e professora universitária Catarina Mota revelou, à CNN, que vai deixar o Hospital de Santa Maria (instituição onde trabalha há 20 anos) no final deste mês. “Atualmente a disponibilidade dos serviços é nula, porque não há recursos humanos. O trabalho é mal pago; há trabalho não pago e descanso que não é devidamente gozado. Fazemos muito mais horas que o que devíamos, com riscos”.

A falta de recursos aumenta a necessidade de trabalho extraordinário que, por sua vez, prejudica o equilíbrio entre a vida profissional e a pessoal, outros dos fatores que leva a médica a deixar o SNS e rumar ao setor privado – um caminho, muitas vezes sem retorno, que fazem cada vez mais profissionais. Outra das carências apontadas é a falta de tempo e de condições para fazer formação e investigação e dar aulas. “A maior parte de nós tem interesse na atividade académica, em dar aulas, em fazer atividade científica, mas não temos tempo, não temos reconhecimento das instituições”.

SO

Notícia Relacionada

Quase 2400 profissionais contratados ao abrigo da pandemia já saíram do SNS

ler mais

RECENTES

ler mais