11 Dez, 2019

Mais 31% de jovens doam sangue no serviço de Sangue do Hospital de Gaia/Espinho

No entanto, de acordo com Natália Batista, o aumento ainda não permite ter um banco de sangue “autossuficiente".

O Serviço de Sangue do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E), que registou um aumento de 31% de dadores jovens, continua a lutar pela autossuficiência, indicou esta terça-feira a responsável pelas campanhas de atração de novas dádivas.

Na véspera de uma festa de Natal dedicada aos dadores do CHVNG/E, Natália Batista, que há três anos decidiu criar uma página de Facebook que atualmente tem mais de 22 mil seguidores, indicou à agência Lusa que este hospital “ainda não é autossuficiente, mas tem registado um grande aumento de novas dádivas”.

“Melhorámos muito. Nessa altura [verão de 2016] só conseguíamos satisfazer 70% das necessidades de sangue do hospital e o resto tinha de ser assegurado com recurso ao Instituto Português do Sangue. Mas, neste momento, conseguimos assegurar 95% das necessidades do hospital. Ainda não somos autossuficientes, mas continuamos a trabalhar para chegar lá”, indicou a promotora da Dádiva de Sangue no Hospital Gaia/Espinho, Natália Batista.

De acordo com dados de 2018 – sendo que os de 2019 estão ainda a ser processados – este serviço registou, face ao ano anterior, um aumento de 31% da dádiva de jovens com idades entre 18 e os 24 anos, algo interpretado pela responsável como “muito promissor”.

“Este número traduz um trabalho de sensibilização para a dádiva de sangue realizado pelo serviço junto dos jovens. Também notámos a adesão de pessoas de 40 e tal anos que dão sangue pela primeira vez. Andavam há muito tempo a pensar nessa hipótese, adiavam, mas o nosso trabalho nas redes sociais incentivou-os. Continuaremos a trabalhar rumo à autossuficiência”, referiu Natália Batista.

Além do trabalho na internet, e da participação em eventos locais em Vila Nova de Gaia e Espinho, o Serviço de Sangue do CHVNG/E decidiu apostar em idas às escolas para “partilhar a mensagem e incentivar as crianças a pensarem nesta causa”.

Para isso, e com a ajuda de um professor do Colégio Cedros e de alunos do 12.º ano, foi criado um jogo que tem como objetivo “facilitar a compreensão sobre as compatibilidades sanguíneas”.

Em 2016 foram realizadas 11.898 transfusões de sangue, o que ajudou a tratar 2.273 doentes, números que evoluíram e em 2018 foram realizadas 12.675 unidades que permitiram tratar 3.298 pessoas.

O Serviço de Sangue do CHVNG/E, que foi autossuficiente até 2007 e envia uma mensagem aos dadores quando a dádiva destes é utilizada, tem uma aplicação de telemóvel para os dadores, na qual estes têm acesso a informação sobre dádivas, alertas sobre a altura em que pode dar sangue, resultados de análises, bem como curiosidades.

Para hoje está previsto que o conselho de administração do hospital visite o Serviço de Sangue, para dar sangue e inaugurar a exposição de fotografia “Um olhar sobre a Dádiva”, e também o mágico Daniel Gonçalves que vai interagir com os dadores. De tarde, está prevista a visita do ex-guarda redes do FC Porto, Helton.

SO/Lusa

ler mais

RECENTES

ler mais