7 Jun, 2021

IPO de Lisboa perdeu 50 profissionais de saúde em apenas um mês

Falta de profissionais está a afetar a atividade de vários serviços do IPO de Lisboa, admite o presidente da instituição, que critica a dificuldade na contratação de profissionais.

O Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa viu sair 50 profissionais de saúde – médicos, enfermeiros, técnicos superiores, assistentes e auxiliares, entre 1 de maio e 4 de junho, avança a TSF. O fim do estado de emergência fez com que muitos saíssem para o setor privado.

Dos profissionais de saúde que saíram do IPO, devido à forte oferta do setor privado em Lisboa, contam-se 20 enfermeiros, 13 médicos, 10 técnicos superiores, quatro assistentes e três auxiliares. Estes profissionais são altamente qualificados, pois recebem formações de vários meses antes de começarem a exercer funções no IPO.

De momento, os profissionais que fazem mais falta no IPO de Lisboa são os enfermeiros – o Instituto tem 574, mas ainda necessita de mais 139. O IPO já pediu autorização ao Governo para contratar mais 20 enfermeiros, mas ainda não recebeu permissão para avançar.

A falta de enfermeiros está a travar a entrada em funcionamento das novas salas do bloco operatório, que representam um investimento de 3,7 milhões de euros em obras de ampliação e requalificação.

Além disso, está a afetar ainda o serviço de radioterapia. Para trabalhar com aceleradores lineares, um equipamento que ajuda na prevenção e tratamento do cancro, são necessários enfermeiros. Devido à escassez de recursos humanos, 1200 doentes foram encaminhados para o setor privado, resultando numa despesa de dois milhões de euros para Estado.

Apesar desta perda de profissionais, o presidente do IPO garante que a capacidade de resposta não está comprometida, mas que existem serviços que arriscam diminuir a atividade.

SO

ler mais

RECENTES

ler mais