28 Set, 2022

INEM admite dificuldades para contratar profissionais

O presidente do instituto sublinha a exigência das funções e a questões de carreira como razões para a fraca atratividade do INEM.

O presidente do INEM admitiu dificuldades para contratar profissionais, devido à exigência das funções e a questões de carreira, considerando que esses constrangimentos podem ser minimizados com a integração do instituto no Serviço Nacional de Saúde.

Perante os deputados da comissão de Saúde, onde foi ouvido na sequência de um requerimento apresentado pela bancada parlamentar do Chega, Luis Meira reconheceu a “grande dificuldade que existe neste momento para contratação de operacionais”, mas salientou que essa situação não é exclusiva do INEM.

“Os senhores deputados terão até mais capacidade para intervir do que propriamente o conselho diretivo do instituto, relativamente a algumas matérias que têm a ver com a melhoria das carreiras”, adiantou o responsável do instituto que assegura a emergência médica pré-hospitalar em Portugal continental.

Segundo Luis Meira, o INEM tem feito um “esforço grande” para recrutar mais recursos humanos, mas apontou o exemplo das 178 vagas abertas recentemente e que não foram preenchidas na totalidade.

Luis Meira anunciou ainda que está em fase final um novo concurso para o recrutamento de 125 técnicos, que deverão ser contratados no início de 2023 “se tudo correr como é expectável”, manifestando-se esperançado que a totalidade desses lugares possa agora ser ocupada.

O presidente do INEM salientou ainda a “janela de oportunidade” que constitui a inclusão do INEM no âmbito do Serviço Nacional de Saúde, admitindo que essa integração deverá obrigar à revisão da lei orgânica.

“Provavelmente isso irá forçar a necessidade da revisão da lei orgânica do instituto, o que é uma das maiores janelas de oportunidade para algumas dessas questões que são estruturantes para o instituto poderem ser resolvidas”, afirmou.

Nesta audição sobre “as falhas na prestação de socorro por parte do INEM”, Luis Meira salientou também a lógica de funcionamento assente numa “grande flexibilidade”, para que, em momentos de pico de procura, seja alargado o raio de acionamento de meios “para garantir que não há ocorrências sem resposta”.

O responsável do INEM reconheceu, porém, que em algumas situações verificaram-se “tempos para socorro mais elevados do que o instituto quer”, mas considerou que, na globalidade, a resposta do INEM está dentro dos indicadores previstos nesta matéria.

“De forma consistente, de janeiro a agosto, o INEM acionou os meios com menos de uma hora de atraso em 99% das situações”, adiantou o presidente do instituto, que convidou os deputados a visitar um dos Centros de Orientação de Doentes Urgentes para perceberem a “dificuldade que é gerir situações com informação que é muito difícil de recolher”.

No início da audição, o deputado do Chega, Pedro Frazão, considerou que “existem falhas no socorro em Portugal”, apontando os exemplos de casos recentemente noticiados em Lisboa e no Algarve.

O parlamentar adiantou ainda que o partido teve acesso a “informações gravíssimas” da inoperacionalidade de ambulâncias em vários pontos do país, acusando o INEM de ainda “mascarar” os tempos de reposta, uma acusação que foi refutada por Luís Meira.

“O INEM está a utilizar os tempos desde que a ambulância é mobilizada até que chegue ao local e não o tempo em que pessoa que precisa de socorro aciona a chamada”, referiu Pedro Frazão, para quem “é inacreditável” que Luís Meira se mantenha em funções, “com tantos escândalos nestes últimos meses” na área do socorro pré-hospitalar.

SO/LUSA

Print Friendly, PDF & Email
ler mais

RECENTES

Print Friendly, PDF & Email
ler mais