3 Jan, 2022

França oferece gratuitamente métodos contracetivos a mulheres entre 18 e 25 anos

De acordo com o Ministério da Saúde, estes cuidados correspondem a uma consulta por ano, os respetivos exames, bem como os contracetivos.

A gratuidade dos métodos contracetivos para mulheres entre 18 e 25 anos entrou em vigor em França no dia 31 de dezembro e tem como objetivo lutar contra um “declínio” da contraceção observado pelas autoridades.

O ministro da Saúde francês, Olivier Véran, anunciou esta medida em setembro, sublinhando que a utilização de método contracetivos está “em declínio” entre as mulheres jovens e que “o primeiro motivo” são as “razões financeiras”.

“Entre os 18 e os 25 anos, as mulheres são muito vulneráveis porque perdem muitos direitos em comparação a quando eram menores, tendo ainda uma situação economicamente muito precária”, disse a porta-voz da associação feminista francesa En avant toutes, Louise Delavier, à agência de notícias AFP.

Os métodos contracetivos para menores já são gratuitos em França.

De acordo com o Ministério da Saúde, estes cuidados serão cobertos a 100%: uma consulta por ano com médico ou parteira, os respetivos exames relacionados, bem como os próprios contracetivos – pílulas, implantes, DIU, diafragmas e contraceção hormonal de emergência.

Entretanto, para Leslie Fonquerne, socióloga especializada em questões de género, “essa medida de forma alguma resolve o desequilíbrio da carga da contraceção entre mulheres e homens”.

O argumento é partilhado por Sarah Durocher, copresidente do movimento Planeamento Familiar, que faz campanha pela “educação sexual para todos os géneros”.

“A educação sexual é a chave para permitir que as pessoas conheçam os seus direitos e saibam onde os obter, seja em questões de contraceção, aborto, violência ou consentimento”, disse Sarah Durocher.

A classificação do Fórum Parlamentar Europeu para os Direitos Sexuais e Reprodutivos (EPF) – que avalia “o acesso à contraceção moderna, eficaz e acessível” na Europa – coloca a França em segundo lugar no seu Atlas de Contraceção 2020 (atrás da Bélgica).

A Polónia continua a ser o pior país da Europa nesta questão.

“Embora quase 60% das mulheres europeias em idade fértil usem alguma forma de contraceção, 35% das gravidezes na Europa são consideradas não planeadas”, segundo o Fórum.

 

Artigos relacionados:

ler mais

RECENTES

ler mais