24 Abr, 2020

EMA avisa para sérios efeitos colaterais provocados pela cloroquina

O medicamentos contra a malária que estão a ser testados no combate ao novo coronavírus podem provocar efeitos colaterais sérios, incluindo convulsões e problemas cardíacos,.

O regulador da União Europeia (UE) realçou que a cloroquina e a hidroxicloroquina, dois medicamentos que o presidente norte-americano, Donald Trump, entre outros, apontou como potenciais tratamentos para a covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus, são conhecidos por causar problemas no ritmo cardíaco, especialmente se combinados com outros medicamentos.

A cloroquina e a hidroxicloroquina são usadas há muitos anos para tratar a malária e doenças anti-inflamatórias como a artrite reumatoide. Além dos problemas cardíacos, os dois medicamentos também podem provocar danos no fígado e nos rins, convulsões, e baixar o nível de açúcar no sangue.

“Os dados clínicos ainda são muito limitados e inconclusivos, e os efeitos benéficos desses medicamentos na covid-19 não foram demonstrados “, vincou em comunicado a EMA, sublinhando que, como nos ensaios clínicos que testam a eficácia dos medicamentos contra o coronavírus são usadas doses mais altas do que as recomendadas, isso pode aumentar o risco de surgirem danos colaterais.

Atualmente, não existe tratamento licenciado para a covid-19, e dezenas de ensaios estão a decorrer em todo o mundo.

No início deste mês, parte de uma investigação no Brasil foi suspensa, depois de os médicos descobrirem que um quarto dos doentes que estavam a tomar cloroquina desenvolveram ritmos cardíacos irregulares perante doses aumentadas.

A EMA disse que os médicos e os doentes devem reportar quaisquer efeitos colaterais dos dois medicamentos em causa às autoridades nacionais. “Estes medicamentos não podem ser tomados sem receita e sem a supervisão de um médico”, conclui a agência europeia.

SO/LUSA

 

[box] Notícias Relacionadas:

Infarmed alerta para embalagens falsificadas de cloroquina

Medicamento está validado para a malária e tem sido usado na pandemia em doentes de covid-19. Infarmed pede que quem o detete informe as autoridades.

Covid-19: Hidroxicloroquina traz sérios riscos para doentes cardíacos

A agência francesa de medicamentos alerta para os efeitos colaterais relatados em pacientes covid-19 tratados com o fármaco, sobretudo a nível cardíaco.

Médico geriatra João Gorjão Clara defende uso de hidroxicloroquina em lares

O médico especialista em geriatria defende que seja utilizada nos lares, em idosos com covid-19, a mesma medicação que é dada nos hospitais.

[/box]
ler mais

RECENTES

ler mais