21 Dez, 2020

“É crucial” que os laboratórios partilhem rapidamente a informação com os médicos

O papel dos laboratórios de microbiologia é fundamental para detetar rapidamente os casos de bactérias multirresistentes. Fazer chegar essa informação rapidamente aos clínicos é crucial para o sucesso do tratamento, diz a microbiologista do Centro Hospitalar de Lisboa Central.

O que são os testes da suscetibilidade aos antimicrobianos/antibióticos?

São testes para saber se aquele microrganismo é sensível ou resistente a determinados antibióticos.

E qual é o papel dos laboratórios de microbiologia?              

É no laboratório de microbiologia que se faz o isolamento e a identificação dos microrganismos que provocam as infeções e é também no laboratório de microbiologia que se faz o teste de suscetibilidade aos antimicrobianos.

Porque é crucial fazer chegar o mais depressa possível a informação apurada em laboratório ao médico assistente? Tanto do microrganismo que está a causar a infeção como do resultado dos testes de suscetibilidade…

Porque nos doentes que têm infeções graves, o médico começa imediatamente o tratamento com antimicrobianos de uma forma empírica, ou seja sem ter dados objetivos de qual é o microrganismo que está em causa e se é sensível ou não ao antibiótico que o médico decidiu prescrever. Assim, é crucial e crítico o laboratório fazer chegar essa informação o mais rápido possível ao médico, para adequar a antibioterapia ao doente que tem à sua frente.

Em meio hospitalar, como é possível promover uma utilização adequada dos antibióticos/antimicrobianos para que não surjam resistências?

É necessário que os laboratórios estabeleçam uma relação frutuosa entre si e os diversos serviços clínicos, particularmente com o Grupo Local de Programa de Prevenção e Controlo de Infeção e Resistência aos Antimicrobianos, que por Lei todos os hospitais devem ter.

Também se devem reforçar as medidas de controlo de infeção hospitalar para que não haja disseminação cruzada dessas resistências entre os doentes.

Por fim, todos os laboratórios de microbiologia devem participar de maneira regular e consistente com a rede nacional de vigilância a resistências para podermos ter uma visão global do problema e podermos tomar medidas de controlo necessárias.

 

No momento atual, quais são os maiores desafios dos laboratórios de microbiologia?

Os desafios que se colocam ao laboratório de microbiologia são, em primeiro lugar, o laboratório ter capacidade para detetar todas as resistências aos antimicrobianos e nem todas as resistências são fáceis de detetar no laboratório. É preciso que o laboratório seja dotado de profissionais competentes e também de equipamentos e metodologias adequadas para detetar todas as resistências e elas não passarem despercebidas.

O segundo desafio importante é fazer com que essa informação que o laboratório obteve chegue ao médico assistente o mais depressa possível. Para isso é necessário que o laboratório se reorganize de maneira a disponibilizar um serviço durante um horário de funcionamento mais alargado de 12 ou, idealmente, de 24 horas por dia todos os dias da semana e encontre um método, de fazer chegar essa informação, o mais depressa possível, em tempo real de preferência, ao médico que está a tratar do doente, porque realmente não adianta muito o laboratório ter o resultado em uma ou duas horas se depois o médico que vai tratar o doente só vê esse resultado 12 horas depois. Este atraso pode ter efeitos nefastos no doente.

Existem várias formas de os laboratórios lidarem com estes desafios. A primeira é apetrechar-se com as novas metodologias que permitem obter esses resultados muito rapidamente. Atualmente, há uma diversidade enorme dessas metodologias no mercado, são quase todas baseadas m biologia molecular, e permitem ter um resultado no espaço de uma ou duas horas quando as metodologias tradicionais só permitiam isso em 24 a 48 horas.

O outro lado da questão é que estas técnicas de biologia molecular são muito rápidas, mas também são bastante mais caras do que as metodologias tradicionais, por isso têm de ser aplicadas com parcimónia e quando realmente são necessárias.

ler mais

RECENTES

ler mais