22 Nov, 2021

Diminuição de rastreios de VIH pode aumentar infeções durante décadas

A conclusão é de um estudo, que abrangeu 44 países, incluindo Portugal. Em 2020, a percentagem de testes positivos de infeção por VIH aumentou.

A pandemia de covid-19 originou uma redução de 26% nos testes do VIH realizados em países europeus em 2020, o que pode resultar no aumento de infeções deste vírus nas próximas décadas, alerta um estudo.

“As consequências da interrupção dos sistemas de saúde incluirão um aumento de novas infeções que podem continuar por décadas, bem como um ressurgimento das taxas de SIDA e mortalidade em indivíduos que não conseguiram ter acesso aos testes e que tiveram acesso tardio aos cuidados”, refere o relatório que será apresentado em Lisboa.

As conclusões do estudo, que abrangeu 44 países de quatro continentes, incluindo Portugal, serão apresentadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no lançamento da Semana Internacional e Europeia do Teste, que arranca hoje.

Os dados sobre o impacto da pandemia no rastreio do vírus da imunodeficiência humana (VIH) adiantam que, entre 01 de janeiro e 31 de agosto de 2020, em relação ao período homólogo de 2019, verificou-se uma redução de 26,19% no número de testes em países europeus, que baixou de 204.610 para 151.019.

Além disso, registou-se um aumento da percentagem de testes positivos para o vírus que pode causar a sida (síndrome de imunodeficiência adquirida) de 3,39 para 4,88, o que representou um crescimento de 43,95% nesse período no caso europeu.

“Encontramos um aumento na percentagem de testes positivos em todos os continentes, variando de 2,19% em África a 43,95% na Europa”, adianta o estudo que recorreu a dados da AIDS Healthcare Foundation.

Já no que se refere ao impacto da pandemia nas consultas de pessoas com VIH, o relatório refere que os países de África e da América Latina apresentaram reduções de 7,14% e 24,31% nos atendimentos presenciais, enquanto os países europeus e asiáticos tiveram um ligeiro aumento no número de consultas em 2020.

Por outro lado, os países africanos, asiáticos e latino-americanos registaram reduções no número de novas inscrições nos serviços de saúde, que variaram entre 32,05% e 56,26%, ao contrário dos países europeus, onde se verificou uma evolução positiva deste indicador.

“Apesar dos esforços para fornecer tratamento e cuidados, bem como ferramentas de teste e prevenção para populações vulneráveis durante a pandemia, a covid-19 provavelmente terá um grande impacto sobre esses serviços nos próximos anos”, alerta o estudo.

Os autores esperam que a vacinação contra o coronavírus SARS-CoV-2 “ajude os serviços de VIH a recuperar do impacto substancial da pandemia”, defendendo ainda que, para minimizar estes impactos, são necessárias “estratégias para melhorar o acesso ao diagnóstico e ao tratamento nos períodos pandémico e pós-pandémico”.

Segundo o relatório “Infeção VIH e SIDA em Portugal – 2020”, foram diagnosticados 778 novos casos de infeção em 2019, menos 331 face a 2018.

LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais