Covid-19: Curva portuguesa mostra abrandamento de novos casos

Portugal tem assistido desde o dia 25 de março a um abrandamento do aumento percentual diário de novos casos, segundo dados da Escola Nacional de Saúde Pública.

Segundo Carla Nunes, investigadora da ENSP, tem-se assistido a uma redução do aumento percentual diário de novos casos entre 7% a 20% (média de 15,7%), bem diferente dos valores das semanas anteriores, cujas percentagens tinham médias de 24,8% e 407%”.

Os investigadores do projeto do Barómetro Covid-19, um projeto de investigação que acompanha “passo a passo” a evolução da pandemia em Portugal, apelam, em comunicado, para que haja “cautela na interpretação destes dados”, uma vez que “a análise da evolução das curvas espanhola e italiana também tem tido um abrandamento no aumento relativo de casos diários”.

Comparativamente à semana anterior, os gráficos do modelo matemático da Escola Nacional de Saúde Pública desta semana do barómetro mostram “uma aproximação a Itália e, em vez de 11, por cada 100 novos casos italianos, Portugal espera agora 14”.

“Em relação a Espanha, a curva portuguesa apresenta um ligeiro afastamento: 20 casos novos por cada 100 casos espanhóis, quando na semana anterior eram 22”, refere a ENSP.

Além da comparação com países culturalmente e “matematicamente” parecidos com Portugal – Itália, Espanha e Reino Unido -, a equipa do Barómetro Covid-19 alargou a análise à Coreia do Sul, Singapura e Japão, “países que têm sido identificados como eficazes no controlo da pandemia”.

“Esta análise comparativa permite-nos perceber claramente as diferenças entre a evolução das curvas latinas, que são exponenciais, e as curvas orientais, que têm um formato achatado”, referem os investigadores.

Em comparação, por cada 100 novos casos no Japão são esperados 4.681 novos casos em Portugal, por cada 100 novos casos na Coreia do Sul, são esperados 467 novos casos e por cada 100 novos casos em Singapura são esperados 5.639 novos casos em Portugal.

O Barómetro Covid-19 está interessado em investigar de que forma é que os comportamentos das curvas são resultado do impacto das medidas tomadas nos diferentes países.

“Nos países orientais analisados, os testes em massa, as ações de isolamento, a quarentena com ‘pulso de ferro’ e a forte adesão da população a estas medidas parecem ter tido um papel fundamental no achatamento da curva”, explica Carla Nunes.

Apesar da semelhança da curva portuguesa com a espanhola e a italiana, os investigadores ressalvam que Portugal tomou várias medidas para o controlo da epidemia mais cedo do que estes países.

Já não falta muito para percebermos se foi suficientemente cedo para aplanar o pico da nossa curva e mudar a sua forma”, refere a investigadora, adiantando que o Barómetro Covid-19 espera poder realizar essa análise no decorrer da próxima semana.

O Barómetro Covid-19 é um projeto de investigação da ENSP da Universidade NOVA de Lisboa que acompanha passo-a-passo a evolução da pandemia da Covid-19 em Portugal.

SO/LUSA

 

[box]

Notícias Relacionadas:

Portugal mais rápido a tomar medidas de saúde do que Itália, Espanha e Reino Unido

É a conclusão de um estudo comparativo da Escola Nacional de Saúde Pública no qual se alerta que esta situação não permite traçar um cenário ou inferir resultados.

“Detetar, isolar, tratar”. Médicos de saúde pública fazem das “tripas coração”

O presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública diz que estes profissionais estão a “fazer das tripas coração” para responder a todas as solicitações.

Covid-19: Por cada 100 casos em Itália, Portugal terá sete, diz estudo

Um estudo da Escola Nacional de Saúde Pública aponta para um cenário grave em território nacional mas em linha com o que acontece noutros países.

Número de casos de Covid-19 deve aumentar até final de abril

A ministra da Saúde diz que, com dados disponíveis à data, é previsível que a curva epidemiológica “aumente pelo menos até ao final de abril”.

[/box]

ler mais

RECENTES

ler mais