[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” categories=”off” […]

Consumo de tabaco nas entradas dos complexos pedagógicos de uma universidade portuguesa.

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Título” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” categories=”off” comments=”off” featured_image=”off” featured_placement=”above” parallax_effect=”on” parallax_method=”on” text_orientation=”center” text_color=”dark” text_background=”off” text_bg_color=”rgba(255,255,255,0.9)” title_all_caps=”off” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_css_post_image=”float: left;|| width: 180px;|| height:190px;|| object-fit: cover;|| margin-top: 30px;|| margin-right: 30px;|| margin-bottom: 10px;|| margin-left: 0;|| max-width: 180px;|| border: 3px solid #999999;|| border-radius: 150px;|| -webkit-filter: grayscale(100%);|| filter: grayscale(100%);” module_bg_color=”rgba(255,255,255,0)”] [/et_pb_post_title][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on” custom_css_main_1=”position: relative;||”][et_pb_column type=”1_4″][et_pb_team_member admin_label=”Dados do Médico” image_url=”https://saudeonline.pt/wp-content/uploads/2018/02/José-Precioso.jpg” animation=”off” background_layout=”light” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” module_class=”ds-thumbnail-blog-red” header_font=”|on|||” header_font_size=”16″ custom_css_member_image=”-webkit-clip-path: circle(50% at 50% 50%);||clip-path: circle(50% at 50% 50%);||” name=”José Precioso” position=”Universidade do Minho”] [/et_pb_team_member][/et_pb_column][et_pb_column type=”3_4″][et_pb_text admin_label=”Corpo do texto” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

O fumo passivo, também conhecido como fumo ambiental do tabaco (FAT) ou fumo em segunda mão, é uma mistura de gases e partículas em estado sólido ou líquido, libertados pela combustão de tabaco (cigarros, cigarrilhas, charutos, etc.), (California Environmental Protection Agency, 2005) e pelo fumo exalado dos pulmões dos fumadores. O FAT contém mais de 7000 compostos químicos, destacando-se mais de 50 pelo facto de serem cancerígenos humanos.

US Surgeon General, já em 2006 revelava que existia evidência suficiente para atribuir uma relação causa/efeito entre a exposição ao fumo passivo e o cancro do pulmão. A evidência sugere que um não fumador exposto ao FAT, em casa ou no local de trabalho, apresenta um risco acrescido de 20% a 30% de sofrer de cancro de pulmão (USDHHS, 2006).

A 1 de Janeiro de 2008 entrou em vigor, em Portugal, a Lei nº 37/2007, de 14 de Agosto, de controlo do tabagismo, que regulamenta aspetos tão diferentes como a sensibilização e educação para a saúde, a proibição da publicidade a produtos de tabaco, a proibição da venda de tabaco a menores, etc. Esta lei tem como principal finalidade a prevenção do tabagismo e a proteção da exposição involuntária ao fumo do tabaco. Nesse sentido, a lei contempla a proibição do consumo de tabaco nos locais de trabalho e recintos públicos fechados ou quase fechados, embora abra exceções. A lei veio dar uma proteção considerável aos não fumadores relativamente à exposição involuntária ao fumo do tabaco em locais públicos. No entanto, não abrange as casas e os carros e, por esse motivo, não garante a total proteção das crianças dos efeitos perniciosos do FAT.

A lei proíbe o consumo de tabaco no interior de todos os espaços das escolas básicas e secundários (edifícios e áreas ao ar livre); nos estabelecimentos do ensino superior é proibido fumar no interior mas permite-se o consumo no seu exterior. Neste momento, alguns membros da comunidade académica fumam à porta dos complexos pedagógicos e das escolas.

Com o objetivo de descrever o consumo de tabaco à porta dos complexos pedagógicos de uma universidade portuguesa, foi realizado em abril de 2018 um estudo observacional nas principais entradas de três complexos pedagógicos e de duas escolas, e à porta da cantina, do restaurante universitário e do grill, num total de 14 observações. Foram feitas observações e registos numa grelha elaborada para efeito, em cada uma das entradas à hora do intervalo da tarde, com boas condições meteorológicas. À porta da cantina, do restaurante universitário e do grill as observações foram feitas na hora de almoço (13 30h). Registaram-se as seguintes variáveis: número de pessoas presentes, número de pessoas a fumar, número de pessoas a fumar cigarro eletrónico, existência de cheiro a tabaco e número de pontas de cigarro no chão.

Constatou-se que:

  • Uma média de 10 pessoas (com um intervalo de 2 a 45) estavam presentes nas entradas referidas na amostra.
  • Em 5 das 14 entradas havia cheiro a fumo.
  • A média de pessoas a fumarem nas entradas era de 2 (intervalo de 0 a 4).
  • Apenas se registou uma pessoa a fumar cigarro eletrónico.
  • Em 11 dos 14 locais observados havia cinzeiro.
  • Todas as entradas tinham pontas de cigarro no chão, apesar dos cinzeiros.
  • Em 12 locais havia mais de 20 pontas de cigarros no chão.

Podemos constatar que o consumo de tabaco à porta dos complexos pedagógicos e outros edifícios da universidade continua a ser um comportamento muito prevalente, sendo frequente o chão estar pejado de pontas de cigarros.

No imediato, é importante sensibilizar para a colocação das pontas de cigarros (beatas) nos cinzeiros. É preciso tomar medidas de Educação para a Saúde no sentido de incentivar o abandono do consumo de tabaco. É necessário promover uma Universidade livre de Tabaco, onde seja possível circular sem ser incomodado pelo fumo do tabaco. A proibição de fumar deve ser estendida ao exterior, como acontece nos estabelecimentos do ensino secundário. O cumprimento desta limitação ao consumo de tabaco deve ser acompanhado de uma oferta de consultas de desabituação tabágica aos professores, funcionários e alunos fumadores, pela Universidade ou pelos Centros de Saúde que dão apoio à comunidade escolar.

 
Nota: Dados recolhidos pelos alunos da Unidadae Curricular “Temas de Saúde em Ambiente”, do Mestrado em ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO E DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS NATURAIS NO 2ºCICLO DO ENSINO BÁSICO, da Universidade do Minho.

 

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]
ler mais

RECENTES

ler mais