30 Dez, 2021

Afluência às urgências duplica nos hospitais do Oeste face a 2020

No entanto, o Hospital de Torres Vedras regista um menor número de internamentos em comparação com o ano passado.

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) viu duplicar este mês o número de atendimentos na urgência covid-19 por comparação a igual período do ano passado, mas regista um menor número de internamentos, revelou hoje a administração à agência Lusa.

A Área Dedicada a Doentes Respiratórios (ADR), a chamada urgência covid, da unidade de Torres Vedras do CHO, tem registado por dia uma média de 40 atendimentos, quando há um ano eram 20, disse a presidente do conselho de administração do CHO, Elsa Baião.

Desde o início do mês até hoje, o ADR de Torres Vedras do CHO atendeu 937 doentes, quando em igual período de 2021 foram 562.

Já no ADR da unidade de Caldas da Rainha, já foram atendidos este mês 713 doentes, muito acima dos 283 atendimentos verificados em dezembro do ano passado.

Elsa Baião adiantou que, nas duas unidades, metade dos doentes que recorrem às urgências covid recebe a pulseira verde, correspondente aos casos menos urgentes.

“Os centros de saúde desativaram os ADR que tinham a funcionar em estruturas autónomas, apesar de manterem o atendimento a doentes covid. Os cidadãos já têm menos receio de ir às urgências, com a evolução da pandemia, e temos alguns casos reencaminhados pela Linha Saúde 24 que não se justificavam, porque as pessoas ou não têm sintomas ou têm patologia ligeira”, justificou a administradora.

A afluência aos ADR do CHO disparou este mês, já que em setembro foi de 400 e 329 em Torres Vedras e nas Caldas da Rainha, respetivamente, em outubro de 487 e 398 e em novembro de 703 e 481.

Quanto aos internamentos, o CHO tem vindo a ter ocupadas cerca de 15 das 21 camas afetas a doentes infetados pela covid-19, registando-se por isso menos internamentos do que há um ano, ao atingir em janeiro de 2020 um máximo de 144 camas e precisar de transferir doentes para outros hospitais por falta de capacidade.

“Os casos são menos graves” nesta altura em que a população se encontra vacinada contra a covid-19, esclareceu a administradora hospitalar.

Tendo em conta as estimativas de aumento dos contágios a nível nacional, provocado pela variante Ómicron, o CHO prepara-se para reforçar os serviços, seguindo o plano de contingência delineado para a pandemia de covid-19.

Contudo, depara-se com a falta de profissionais de saúde.

“Os nossos profissionais, à semelhança da restante população, também se encontram infetados ou a estão em isolamento por terem tido contactos de risco, assistindo-se a um número significativo de baixas”, explicou Elsa Baião.

O CHO integra os hospitais das Caldas da Rainha, Torres Vedras e Peniche, tendo uma área de influência constituída pelas populações dos concelhos das Caldas da Rainha, Óbidos, Peniche, Bombarral, Torres Vedras, Cadaval e Lourinhã e de parte dos concelhos de Alcobaça e de Mafra.

LUSA

Print Friendly, PDF & Email
ler mais

RECENTES

Print Friendly, PDF & Email
ler mais