12 Jul, 2018

Presidente do Politécnico de Bragança quer uma nova Escola de Saúde

A construção de uma nova escola de Saúde é uma das ambições do presidente do Instituto Politécnico de Bragança (IPB), Orlando Rodrigues, empossado ontem para nos próximos quatro anos liderar uma das maiores instituições da região

“Crescer” continua a ser a aposta do novo presidente do instituto com cerca de sete mil alunos, dois mil dos quais estrangeiros de 70 nacionalidades, espalhados pelos cursos das cinco escolas superiores do IPB, em Bragança e Mirandela.

Uma dessas escolas é a de Saúde, que Orlando Rodrigues tem a ambição de “ampliar o campus”, deixando as atuais instalações para criar um projeto de raiz, na mesma zona, junto ao principal hospital da região, o de Bragança.

“É um projeto que tem de ser trabalhado, amadurecido. Há muitas parcerias que têm que ser feitas, muitos problemas que têm de se resolver, mas gostaríamos, na área da Saúde, de ter um polo importante na nossa região”, afirmou, na cerimónia da tomada de posse.

O novo presidente do politécnico não se compromete com prazos, “porque depende de financiamentos” que a instituição não controla, mas avança que a ideia é “fazer alguma parceria com a Unidade Local de Saúde (ULS do Nordeste) deixar as atuais instalações para outras utilizações e criar um edifício novo de raiz”.

O propósito é “que possa desenvolver não só as atividades letivas e de investigação, mas também outras em parceria com as instituições de saúde da região”.

Em matéria de infraestruturas, faz parte também dos planos de Orlando Rodrigues construir um pavilhão coberto para o departamento de artes e desporto da Escola Superior de Educação para oferecer melhores condições, nomeadamente no trabalho feito com a comunidade na promoção de hábitos de vida saudável, da atividade física, sobretudo dos mais idosos.

Orlando Rodrigues sucede a Sobrinho Teixeira, de quem foi vice-presidente durante 12 anos. Foi também diretor da Escola Superior Agrária e é docente do Politécnico de Bragança desde 1986. Vai ter como vice-presidentes Luís Pais e Albano Alves.

A internacionalização continua a ser uma das apostas da nova direção do instituto “que tem mais estudantes internacionais, embora a concorrência das outras instituições esteja a aumentar”, como vincou o presidente.

Trabalhar diretamente com as empresas e para a região continua a fazer parte da estratégia, dando resposta às necessidades da realidade local e procurando combater a baixa taxa de empregabilidade dos diplomados, como apontou o presidente.

LUSA/SO/MM

ler mais