24 Jan, 2023

Otimização de recursos humanos e novas instalações são prioridades para a Saúde no Algarve, diz Ministro

Manuel Pizarro falou no âmbito da iniciativa "Saúde Aberta", que se iniciou ontem no Algarve, e que tem como objetivo levar o Ministro e a sua equipa a todos os distritos do País para "conhecer os projetos em curso e identificar necessidades".

O ministro da Saúde, Manuel Pizarro afirmou que o Governo tem “duas prioridades distintas” para o setor da Saúde no Algarve, nomeadamente a otimização dos recursos humanos e a criação de novas instalações para atrair e fixar profissionais. “Uma é otimizar os recursos para funcionarmos, dando maior resposta à população, e outra é um tema incontornável que é a necessidade de novas instalações. Vamos finalmente arrancar com a construção do novo Hospital Central do Algarve”, garantiu Manuel Pizarro em Monchique, no distrito de Faro.

Em declarações aos jornalistas à margem da iniciativa “Saúde Aberta”, que ontem percorreu todos os concelhos do Algarve, o governante reconheceu “como especialmente complexa” a organização dos cuidados de saúde na região, devido ao facto de ter uma população muito variável. “São cerca de meio milhão de pessoas regularmente, mas há períodos do ano em que os que vêm de fora são bastante mais do que os que vivem cá e é preciso organizar com flexibilidade os cuidados para responder às circunstâncias”, apontou.

Para Manuel Pizarro, a construção do novo Hospital Central do Algarve “é importante porque não só cria melhores condições para prestar serviço às pessoas, como cria um novo entusiasmo para atrair profissionais”. “Não há dúvida nenhuma que nós precisamos de mais profissionais de saúde no Algarve. Vamos anunciar um calendário que desta vez permita que não haja mais interrupções nesse processo, porque isso seria muito deprimente”, observou.

Na opinião do governante, “centros de saúde novos e bem equipados ajudam a atrair profissionais, sendo a descentralização em movimento no Algarve muito importante, porque não há ninguém melhor que as autarquias para conhecerem as realidades locais e garantirem a manutenção e o bom funcionamento dos centros de saúde”. Por outro lado, defendeu, como um aspeto “muito relevante” a “intensificação da ligação umbilical” entre o Centro Hospitalar Universitário do Algarve e a Universidade do Algarve e o seu curso de formação de médicos. “Essa ligação também pode ajudar muito, não apenas a formar, mas a fixar os profissionais que nós formemos na região”, notou o governante.

Manuel Pizarro disse ainda que iniciou o programa da “Saúde Aberta” no Algarve pelo concelho de Monchique, onde existe atualmente apenas um médico, pelo facto de ser neste momento o concelho algarvio onde as dificuldades são maiores. “Temos menos médicos do que o que necessitávamos e os dois médicos que estão de serviço estão de baixa prolongada”, frisou. O ministro adiantou que “a primeira razão é tentar perceber porque uma zona tão bonita [como Monchique] é tão pouco atrativa para os médicos, quais os problemas que se colocam e ouvir os profissionais, a Câmara Municipal e as pessoas”.

“Haverá soluções que não vão aparecer amanhã de manhã, mas tenho a certeza que vamos encontrar nas próximas semanas ou nos próximos meses uma solução para Monchique e para as outras zonas do Algarve onde temos dificuldades” concluiu.

LUSA

Notícia relacionada

Algarve recebe 196 médicos em internato nas unidades do SNS

Print Friendly, PDF & Email
ler mais

RECENTES

Print Friendly, PDF & Email
ler mais