12 Jun, 2020

OM considera insuficiente verba para a saúde e defende mais de o dobro

O bastonário da Ordem dos Médicos considera “insuficiente” o reforço de 504,4 milhões de euros para a saúde no Orçamento suplementar.

“Esperava mais de um orçamento suplementar para a saúde”, disse Miguel Guimarães à agência Lusa, recordando que as fragilidades do Serviço Nacional de Saúde (SNS) foram atenuadas nos últimos meses, porque toda a atividade foi concentrada no combate à covid-19.

Nas contas do bastonário, mais de 50% da atividade – consultas, cirurgias, exames – foi adiada e terá de ser recuperada, assim como realizadas as marcações já efetuadas.

“Em termos de orçamento, estamos a falar de três meses – 25% de um ano. Se eu aplicar este quarto de ano ao orçamento, significa que, para recuperar metade do que era a atividade desses três meses, são necessários 1.250 milhões de euros”, explicou.

Esta recuperação, avançou, “terá de ser feita de forma suplementar, o que significa milhares de pessoas a trabalhar e a receber de forma suplementar. O SNS precisa seguramente de mais dinheiro”.

 

Reforço ignora cuidados de saúde primários, diz bastonário

 

Por outro lado, Miguel Guimarães lamentou que o reforço para a saúde nada diga em relação aos cuidados de saúde primários. “Quando a ministra da Saúde anuncia que os lares de idosos vão ter um médico, é porque será um médico de família. Mas os médicos de família já estão assoberbados. Como é que esta assistência será feita?”, questionou.

Em relação à saúde pública, o bastonário disse que o reforço é “claramente insuficiente para as necessidades, sobretudo se vier uma segunda vaga” da pandemia de covid-19.

Outra área que merece críticas por parte de Miguel Guimarães é a medicina no trabalho. “Nem uma palavra para uma área tão critica nesta questão da pandemia, que há anos é insuficiente. Nem um reforço, é uma área completamente esquecida”.

Por seu lado, congratula-se com a aposta nos cuidados intensivos, mas faz uma ressalva: “Os cuidados intensivos não são os ventiladores, são as pessoas. Não chega ter os equipamentos, é preciso ter os profissionais e não podemos pedir a estes profissionais, que estiveram afastados durante semanas das suas famílias, para voltarem a fazer o mesmo. É importante aumentar a capacidade física e humana”.

O bastonário lamenta o silêncio em relação às carreiras dos profissionais de saúde e deixa a pergunta: “Como vão ser valorizadas as carreiras dos profissionais de saúde, ou o Governo acha que este não é o momento certo?”.

Para Miguel Guimarães, este orçamento suplementar deixa “um amargo de boca”.

“Uma das lições desta pandemia é que a saúde é absolutamente determinante na vida de qualquer país. Na Europa, as pessoas estão a perceber isso e há alguns países que vão investir muito mais na saúde, mesmo os que já investiam mais do que nós”.

E prosseguiu: “Uma pandemia destas tem um grande impacto em toda a área de intervenção do Estado, mas também da economia”.

“O que vemos é que a economia já está a prevalecer sobre a saúde, como demonstra a verba de 1.200 milhões de euros prevista para a TAP”, disse.

Para Miguel Guimarães, “a saúde só foi mais importante enquanto as pessoas estavam aflitas”.

O Governo anunciou na terça-feira um reforço adicional do orçamento do SNS de 500 milhões de euros, no âmbito do Orçamento Suplementar de 2020.

“Para reforço do apoio social e proteção do rendimento das famílias prevê-se um reforço adicional do orçamento do Serviço Nacional de Saúde de 500 milhões de euros, o que acresce ao reforço já efetuado no orçamento inicial para 2020 que já tinha sido um reforço substancial”, afirmou o secretário de Estado do Orçamento, João Leão.

No seu conjunto, estes reforços garantem um aumento do orçamento do SNS de cerca de 13% face ao orçamento de 2019, adiantou o futuro ministro de Estado e das Finanças, João Leão, que substitui nestas funções Mário Centeno, cuja demissão do Governo foi anunciada na terça-feira.

SO/LUSA

 

[box] Notícias Relacionadas:

Morte no Hospital de Leiria: Ordem dos Médicos abre processo disciplinar

Processo disciplinar é dirigido à equipa que estava de serviço no hospital quando um utente morreu nas urgências, após seis horas de espera.

Urgência noturna de gastroenterologia de Braga encerrada, Ordem dos Médicos contesta

Hospital diz que situação é “temporária”. Ordem dos Médicos classificou decisão como “inaceitável” por “aumentar a pressão” dos centros hospitalares do Porto.

[/box]
ler mais

RECENTES

ler mais