6 Abr, 2018

Médicos vestem-se de negro à sexta-feira em protesto contra a falta de meios no SNS

Protesto acontece a partir de hoje em todas as sextas-feiras. Bastonário dos Médicos diz que é uma oportunidade de os médicos explicarem aos utentes o que está mal no SNS.

Um grupo de médicos criou há cerca de um mês um protesto em que faz um apelo a todos os médicos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) para que estes se apresentem ao trabalho usando uma peça de roupa preta ou um crachá com o lema do movimento #SNSinBlack, ou seja, o SNS de luto. O protesto, que até agora apenas se realizava uma vez por mês, alarga-se hoje a todas as sextas-feiras sem exceção.

Em declarações à TSF, o médico pneumologista Filipe Froes, que é um dos promotores deste protesto simbólico, diz que a iniciativa “pretende salvar o SNS”, ao mesmo tempo que não prejudica os doentes – já que “não põe em causa o tratamento ao doente porque não há greve”.

O objetivo, sublinha Filipe Froes, é “mostrar preocupação com o estado atual de destruição e de agonia do SNS”. O médico revela até que alguns doentes mostram solidariedade com os médicos ao ponto de também demonstrarem vontade de usar o preto. O pneumologista disse à TSF que diz que já foram fabricados mais de mil crachás com o símbolo do protesto e que centenas de médicos e outros profissionais já aderiram à iniciativa.

“Os médicos têm aqui uma oportunidade única de explicar aos portugueses, um a um, o que é que está mal no SNS e o que é preciso recuperar”, afirma o bastonário da Ordem dos Médicos, ressalvando que “o protesto é em favor dos doentes, dos cuidados de saúde, da medicina”.

Também em declarações à TSF, o bastonário dos Médicos garante “que o SNS está de luto”, uma vez que “não só os médicos, mas praticamente todos os profissionais da área da saúde não estão a gostar nada do que está a acontecer no SNS”.

SaúdeOnline

 

ler mais

RECENTES

ler mais